Vadão explica revés para o Bragantino, diz que campanha tem de ser valorizada – Macaca continua na 2ª posição do grupo e quarta geral – e que apoio é importante na busca pela classificação

Crédito obrigatório para reprodução da foto:
PontePress/VictorHafner

Uma derrota após três vitórias seguidas. Um resultado ruim que ninguém queria, mas que não aterou a campanha até agora: a Ponte permaneceu na segunda posição do grupo e na quarta geral do Campeonato Paulista. O técnico Vadão explica as razões para a Ponte não ter conseguido furar a defesa adversária, além das dificuldades encontradas na partida par aque o time saísse com um resultado melhor.

“Jogamos a metade do primeiro tempo bem, trabalhando a bola, tentando envolver e depois eles começaram a marcar um pouco mais forte. Nos obrigaram a chutar nas bolas paradas e não nos deixaram sair jogando. Eles estavam ganhando a primeira bola, o Alemão estava entre zagueiros muito altos e pedimos para bater os tiros de meta para lateral do campo, pois o zagueiro tem mais dificuldade de jogar essa bola para o centro do campo. Só que perdemos a segunda bola”, diz o treinador.

Ele complementa explicando que, como a Ponte não conseguia a primeira bola por causa da estatura, teria de ter se corrigido na segunda. “Mas perdemos bolas seguidamente e em uma delas surgiu o primeiro gol deles. Depois tivemos uma chance com o Alemão, mas a cabeçada foi em cima do goleiro. No segundo tempo adiantamos a marcação, tivemos a bola, um volume grande jogo e várias oportunidades, mas não fizemos, não conseguimos concluir. Foi um jogo em que o Bragantino aproveitou bem as oportunidades e nós não”, afirma Vadão que, que apesar da derrota, viu pontos positivos na segunda etapa e acredita que a equipe poderia ter tido melhor sorte.

“O time melhorou num todo. O Bida tem as mesmas características do Adriano, não é um jogador veloz, mas entrou descansado. Ele usa muito bem o corpo e toca bem a bola, com isso o toque ficou um pouco mais refinado. O Rossi melhorou no lugar do Ademir. A equipe se adiantou e melhorou a marcação. Todas as bolas que apertávamos caiam na nossa zaga e voltávamos a ter a posse de bola. O Carleto entrou bem. De uma forma geral todos contribuiram para a melhora da equipe”, analisa.

O comandante alvinegro finaliza valorizando seus comandandos e o papel do torcedor na luta pela classificação do time para a fase seguinte do Paulistão. “Agora todo mundo tem que se unir, não adianta colocar defeito. Cheguei aqui e a equipe estava nove pontos atrás do São Bernardo, que ontem teve o jogo na mão e empatou em 5 a 5. Nós continuamos dois pontos na frente deles, mesmo com todos os defeitos que temos. Temos que valorizar esse grupo de jogadores, a torcida que tem nos prestigiado e vamos abraçar a causa e buscar essa classificação.”

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS