Roger pede desculpas à torcida da Ponte pela eliminação na Copa do Brasil, mas vê grupo fortalecido em busca da vaga na Libertadores

 

Foto: PontePress/FábioLeoni

O dia após a eliminação da Ponte na Copa do Brasil foi pesado, todo o grupo lamentou a perda da vaga da forma que aconteceu, mas o trabalho já seguiu firme porque o Campeonato Brasileiro continua, e com chances reais da Macaca conquistar objetivos importantes na competição. O atacante Roger, autor do primeiro gol do empate em 2 a 2 contra o Atlético Mineiro, revelou o sentimento de frustração, pediu desculpas à Nação Alvinegra, mas mantém a confiança em conquistar com a camisa da Ponte.

 

“Primeiramente o torcedor da Ponte deve estar muito magoado, chateado, talvez não sirva no momento, mas fico alegre em saber que tem um grupo aqui de caráter, de caras que após o jogo sentiram muito essa derrota. Isso nos conforta para fazer algo novo na sequência do Brasileiro. Fica aqui meu pedido de desculpas e fica a frustração, até porque e repito, sempre quis fazer história com essa camisa e ser campeão da Copa do Brasil estava na minha mente. Era muito vivo esse sonho para nós. Temos que superar e focar no Brasileiro. É unir forças para o jogo de domingo”, afirma o atleta, que diz o quanto a desclassificou o atingiu.

 

“Tivemos o domínio do jogo na maior parte do tempo e de repente escapa de uma forma que não se consegue controlar. A sensação é péssima, a pior possível e há muitos anos não sentia isso, de não dormir, de passar a noite inteira em claro, assistir o jogo de novo e não acreditar. Poderíamos ter feito diferente, mas fizemos tudo o que podia ter feito e mais uma vez fica minhas desculpas ao torcedor pontepretano”, acrescenta.

 

Apesar do revés, Roger ressalta a força do elenco para atingir os objetivos que acredita.  “Estamos no caminho certo e reforço que temos tudo para conquistar a vaga na Libertadores esse ano. O Brasileirão talvez seja a chance maior que nós temos. Até porque pela nossa força dentro de casa. Se ganharmos todos os jogos no Majestoso, nós estamos cravados na Libertadores. A chance existe. Que o torcedor possa abraçar, acreditar, ter esperança e é muito bom jogar com o público que tivemos quarta. Está perto. Faltam 12 jogos para tentar fazer história com essa camisa”, reforça o centro-avante, que vê grupo motivado para a sequência da temporada.

 

“Não tem grupo abalado. A cabeça tem que estar no Atlético Paranaense. É um confronto direto e estamos unidos. É um grupo de caras vencedores, que sabem o que querem e nós, mais experientes, vamos blindar a rapaziada mais jovem, até para que se sintam confortáveis. As derrotas ferem, mas te fortalecem. Vamos acabar esse Brasileiro com muita honra”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS