Rodrigo comemora primeiro jogo pela Ponte no Majestoso, após retorno ao clube, e projeta evolução da equipe na temporada

 

Foto: PontePress/FábioLeoni

 

O zagueiro Rodrigo foi um dos titulares da equipe diante do São Paulo, nesse domingo (4) e para o atleta foi uma partida especial. Tratava-se do reencontro do jogador com a torcida da Ponte, clube que o revelou para o futebol. “No momento eu contive mais a emoção. Antes, na concentração, eu estava um pouco ansioso, mas isso é bom também. Mostra ainda que estou vivo no futebol. Apesar da minha idade, e de ter jogado em outros clubes, tenho esse carinho enorme por onde comecei. E outra que são poucos jogadores que fizeram uma trajetória grande como a minha, e voltam ao clube que começou. Estou muito feliz pelo retorno e pela reestreia também”, revela Rodrigo, que fez o seu segundo jogo após retornar à Macaca, já que havia entrado na etapa final diante do Atlético Mineiro, em Belo Horizonte/MG.

 

“Aquela entrada diante do Atlético foi bom para mim por um lado, mas não foi legal pelo resultado, porque quando se coloca um zagueiro é para segurar o placar e nós não conseguimos. Fiquei chateado com isso, mas para mim foi importante porque abaixou um pouco a minha ansiedade para se jogar no Moisés. Também entrei no calor da partida, com o resultado a favor da nossa equipe, mas o Roger Machado colocou mais um centroavante em cima de nós e eu entrei um pouco perdido, por conta da função. Mas nesse jogo de domingo já consegui ver o posicionamento do time e com 20 minutos deu para ter a noção de espaço, até porque estava um mês sem jogar. A tendência é melhorar, por conta do ritmo de jogo”, acredita o atleta.

 

Rodrigo destaca o quanto a equipe não só dentro de casa. “A Ponte é muito respeitada dentro do Moisés Lucarelli, mas também é fora. É isso que temos que continuar. Quando se tem o respeito do adversário, você tem mais sucesso sobre eles, aliado a qualidade do elenco. Nossa equipe hoje sabe o que tem que fazer. Claro que dentro da partida pode haver problemas, mas no começo de um campeonato como o que estamos, a Ponte está muito bem. Temos que manter esse foco e todos tem que estar com a cabeça focada no trabalho, pois precisa de todo o elenco”, explica o defensor, que espera um jogo difícil contra o Atlético Goianiense nessa quinta-feira (8).

 

“Nós não temos feriado e nem final de semana. Quem inicia a carreira vai ver, com o passar dos anos, que fica mais tempo fora de casa. Isso vira rotina. Temos um jogo agora muito importante, onde pegaremos um time que perdeu o seu compromisso na rodada passada e vamos aguardar os trabalhos feitos pelo Gilson para enfrenta-los”, diz Rodrigo, que acrescenta.

“A Ponte é um clube bem estruturado, que dá boas condições para os seus profissionais trabalharem. Acho que esse é o caminho que a Ponte tem que seguir e nós temos que, com isso que o clube nos fornece no dia a dia, ir para o campo e trazer resultados. Eu sei que é possível. A Ponte disputou títulos nos últimos anos e não conseguiu, mas acho que é o momento de pensar grande. No futebol pode acontecer e temos que trabalhar por isso”, completa.

Notícias Recentes

NOTA DE ESCLARECIMENTO: IVAN

A Ponte Preta informa que, diferentemente do que foi divulgado pelo site Futebol Interior, a Ponte Preta possuí 100% dos direitos econômicos do goleiro Ivan e nem poderia ser diferente, uma vez que a FIFA não permite a transmissão

Leia mais »

REDES SOCIAIS