Recuperado de contusão, Rene Jr mostra que sabe lidar com dificuldades e espera ajudar a Ponte mais vezes dentro de campo

 

Foto: PontePress/FábioLeoni

 

A 22ª Rodada do Brasileirão, em que a Ponte venceu o Corinthians por 2 a 0, também marcou a volta do volante Renê Jr entre os relacionados. A última partida do atleta tinha sido no dia 09 de julho, contra o Sport. Após isso, o atleta teve uma contusão muscular e ficou desde então em recuperação. De volta, o jogador se mostrou contente.

 

“Fiquei feliz de participar do último jogo, mesmo estando no banco, é uma sensação boa. Passei por um momento difícil, mas só de estar podendo treinar, sem dor e participar de uma boa vitória para mim foi importante”, afirmou o meio-campista, que não lamenta as adversidades que vêem na vida.

 

“Eu costumo falar que tudo acontece no tempo certo. Naquele momento eu vinha melhorando, iria ser o Renê que todos estavam acostumados a ver, mas infelizmente tive a lesão. Não fico triste porque se aconteceu Deus tem algo preparado lá na frente para mim. Continuo trabalhando com a mesma alegria e me apego muito em Deus e na minha família que é o principal. Creio que com a motivação de trabalhar no dia a dia, o ritmo vem retornando e espero ajudar com um pouco da minha experiência junto ao grupo na competição”, disse o atleta.

 

Renê acrescentou ao falar das dificuldades que enfrentou e a busca pelo espaço no time de forma correta. “Para mim nada foi fácil. Quando cheguei na Ponte em 2012 não foi fácil. Agora com a minha volta também tive uma fase ruim, mas encaro com naturalidade. Confio em Deus, no meu potencial, no que posso fazer e sei que estando bem e sem dores posso ajudar bastante. É o professor Eduardo quem decide quem vai jogar. Mas eu tenho um bom relacionamento com todos. Independentemente de quem estiver jogando procuro dar uma palavra ou ajudando no treinamento. Isso não atrapalha, só soma”, destacou o volante.

 

O jogador contou que no período em que esteve lesionado, foi assistir jogos na arquibancada, mesmo sofrendo por não poder estar em campo. “Não gosto de ver jogo no estádio porque eu fico agoniado. Mas vim em alguns jogos e sentei junto com a torcida na arquibancada. Gosto de dar força aos companheiros, mas é um momento diferente. Estamos acostumados a jogar e ficar de fora é complicado. A ansiedade é maior, mas a felicidade vem quando vê o time bem e ganhando. Isso ajuda tudo”, revelou o atleta, que mostra o sentimento à Nação Pontepretana.

“Tenho um carinho especial pela torcida, porque sempre me tratou bem. Nada mais justo do que assistir o jogo ao lado deles”, ressaltou Renê, que conhece a força da torcida desde a sua primeira passagem.

 

“Estamos acostumados a ver o Majestoso lotado, principalmente em 2012, quando os jogos eram com o estádio bem cheio. Sentimos falta no início do campeonato, mas a torcida faz o que pode, faz o que está dentro do limite. Esperamos a força da nossa torcida e que eles possam nos apoiar cada vez mais, porque eles enchendo o estádio para nós é uma motivação maior. É o 12° jogador”, reforçou o jogador, que revela também o segredo do bom rendimento da Macaca nesse segundo semestre.

 

“O grupo é muito bom. Todos se dão bem e não deixamos a vaidade atingir o elenco. O professor Eduardo sempre preza isso. Sabemos que com o grupo fechado, único, podemos jogar de igual para igual contra qualquer time, seja em casa ou fora. É o que temos feito. Trabalhando dessa forma temos chances de conseguir grandes feitos no campeonato”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS