Presidente Márcio Della Volpe fala à imprensa e afirma: o momento é crítico, temos que extrair o máximo do nosso trabalho e só podemos pensar em vitórias

 

Crédito obrigatório para reprodução da foto:
PontePress/DJotaCarvalho

 

O presidente Márcio Della Volpe concedeu entrevista coletiva à imprensa de Campinas no final da manhã desta sexta-feira. O dirigente alvinegro falou sobre o atual momento da Ponte Preta, respondeu às perguntas dos repórteres presentes e deixou bastante claro que só a vitória interessa ao time nos próximos jogos e que tudo será feito para que isso aconteça. Confira os principais trechos da entrevista.

 

Elenco, time e comprometimento

 

Estamos em um momento crítico e todo mundo sabe disso. Nossa posição da tabela esta muito aquém de nossas piores previsões. Então temos que trabalhar muito para extrair o máximo do que temos. Estamos escutando muito a comissão e vamos analisar e fazer tudo o que for necessário. O que posso afirmar a todos claramente é que só vai jogar na Ponte quem tiver vontade. Quem não se empenhar não entra em campo, não vai para o banco, não fica no elenco.

 

Contratações que não vingaram

 

Tem jogador que não mostrou ainda o que era esperado dele. Há contratações que inclusive foram comemoradas por imprensa e público, mas que, infelizmente, entra em campo e não joga, seja por medo, insegurança ou falta de compromisso (…) quando você traz o melhor do campeonato anterior em uma posição e aqui ele não joga, o que você vai dizer? (…) Vai jogar aquele que  se comprometer, se não está fora de qualquer possibilidade. Queremos vontade, a torcida não exige firula, trivela, futebol bonito,  quer jogador que se dedique, que rale pela camisa. O (goleiro) Roberto disse isso e ele está absolutamente certo, então vamos exigir e ficar em cima.

 

Afastamentos?

 

O Jorginho tem apenas uns dez dias de trabalho, então ele tem que tomar uma posição técnica, ver com quem conta, não podemos sair afastando. Mas esta avisado: isso aqui é Ponte Preta, então quem não tiver vontade está fora. Se acontecer uma desgraça temos que cair de pé e não sermos omissos, não podemos admitir apatia.
 

Desempenho de  Bolicenho

 

Tem gente protestando contra o Bolicenho dizendo que ele tem fracassos em sua história, mas aqui na Ponte, desde que o Bolicenho chegou ele tem tres sucessos, no Paulista do ano apssado e no deste ano, e no Brasileiro do ano passado. Antes de começar o atual Campeonato Brasileiro fomos a um programa de rádio e ele estava sendo elogiado, futebol é momento, é resultado. Agora, responsabilizar só o Bolicenho é injusto. Eu, i Marcus Vinicius, o Carnielli, o Hamilton (Silva, diretor de futebol), o Vanderlei pereira (diretor financeiro), todos estamos juntos e trabalhamos juntos pela Ponte. E todo mundo tem sucessos e insucessos em sua história, veja por exemplo o caso do Rodrigo Caetano, que foi um dos maiores responsáveis pelo Fluminense ter sido campeão e neste brasileiro o Fluminense também está penando.

 

Esta história de dizer que tem que ser de Campinas, tem que ser pontepretano para trabalhar é furada, temos que avaliar o que é importante, o lado profissional. Que jogador tem vinculo, por exemplo? O William e o Roberto, que são atetas inquestionáveis, não são daqui nem pontepretanos. Se formos manter só quem tem vínculo ficam só o Adrianinho e o Alef no time. O técnico também não é daqui, então não vai fazer um bom trabalho? O Gilson Kleina, que comandou o time que subiu no Brasileiro, tinha vínculo? Jogadores e quem trabalha para Ponte tem que ser profissionais e competentes. Quem tem que ter vínculo e história é o torcedor e os diretores, esses sim, que trabalham todos pelo clube sem nenhum tipo de remuneração, só pelo amor que sentem pela Ponte, e ainda sofrem com toda carga negativa em um momento ruim.


Desempenho x contratações

 

Se não tivermos sucesso no final é sinal que não as contratações não foram boas. Se tivermos, inclusive com os reforços, então surtiu efeito. Mas não dá pra prever agora. No ano passado o Elias (Aredes, repórter que fez a pergunta) achou que com o número de pontos que tínhamos na virada do turno íamos cair e não caímos, tivemos até uma relativa tranquilidade. Então não tem receita . Você contrata o melhor disponível na posição de acordo com suas possibilidades, mas muitas vezes não funciona. Então temos que aprender a viver com o imponderável e sair dele.

 

Brasileiro x Sul Americana

 

Disputar o Brasileiro e nos mantermos na série A é prioridade, pois uma queda para a série B seria extremamente prejudicial para a Ponte. Na Sul Americana, quanto mais longe pudermos chegar, melhor, e não vamos mandar time reserva nem deixar de lado, mas a prioridade é o Brasileiro.

 

Ramirez

 

Tínhamos uma expectativa muito grande sobre o Ramirez, nossa torcida carece de ídolos e queríamos que se tornasse um. Creio que ele pode dar bem mais pelo time, então neste sentido houve uma certa decepção, mas falar em afastamento de um atleta como esse é exagero. Temos que ver o nível técnico do jogador e o Jorginho verá o que pode extrair dele.

 

Afastamentos II

 

Hoje há umas dez leis que protegem todo jogador, para cada atitude tomada o clube tem que arcar com consequências. Para você mandar um jogador pra rua hoje tem que pagar o contrato inteiro dele em dez dias, então muitas vezes é melhor mantê-lo, como fizemos com o Enrico, o Jean, vocês se lembram. Se treina em separado, tem situações de sindicato. Temos até jogador aqui que mandamos embora e entrou com processo de danos morais porque a esposa estava doente e ele perdeu a possibilidade de ir para outro time. Então temos que considerar, sim, o processo legal. Agora, não é por isso que não estamos dizendo neste momento quem fica ou não no elenco, e sim porque o Jorginho pediu um tempo para alinhar o processo. Então temos que agir com cuidado para não prejudicar o clube ainda mais, no entanto, volto a deixar claro: quem não se empenhar não vai ter mais possibilidade alguma no elenco.

 

Cálculos para permanecer na série A

 

A nossa única regra para o campeonato agora é campeonato é vencer. Temos que vencer dez jogos, então não podemos escolher adversário A, B ou C, a projeção de todo jogo tem que ser vencer. Quando a competição acabar, quatro equipes vão ter menos que 45 pontos, vão cair, e nós não podemos ser uma delas.
 

Erros com técnico?

 

No planejamento avalio hoje que nosso erro foi o período de saída do Guto (Ferreira), ele deveria ter saído logo depois do jogo do Corinthians. Quanto à era Carpegiani, independentemente de problemas, não dá para falar mal do desempenho dele, de 42%, seria suficiente para manter o time, ele nos tirou do último lugar e colocou na 15ª posição. Mas não adianta falar no passado agora, temos que pensar no presente e no futuro.

Dinheiro de Cicinho e Cleber

Muita gente fica falando desse dinheiro, primeiro esquecendo que não veio tudo para gente, não éramos donos de tudo, hoje no mercado tem muito agente com parte dos atletas. Mas esse dinheiro ajudou a trazer contratações que podem se mostrar acertadas ou não, vamos conferir. Agora, esperar um jogador que cause um grande impacto…não há esse jogador disponível no mercado. O São Paulo, que tem muito mais dinheiro e está em uma situação também bastante ruim, não consegue contratar. Se tivermos mais opções de trazer boas peças, porém, faremos isso. Até porque uma vitória amanha não resolve tudo, a situação em que nos enfiamos vai nos dar muito trabalho para sair.


Vencer ou vencer

 

Essa é a nossa situação. Temos que vencer tudo o que pudermos, não podemos escolher adversário. Na semana que vem quando formos enfrentar o São Paulo, por exemplo, não podemos chegar lá achando que empate é bom resultado, pois não é. Se estivermos perdendo e sairmos com um empate, teremos que nos conformar com isso, mas precisamos vencer.
 

Cobrança do torcedor

 

É natural, é a função do torcedor cobrar se não está satisfeito e, sinceramente, quem pode estar satisfeito com 15 pontos? Eu é que não. Então ele pode protestar, xingar, criticar. O que não pode é violência e quebrar a estrutura, até porque isso prejudica ainda mais o clube. Lembro-me de uma ocasião em que em um protesto quebraram o ônibus da Ponte. Quem pagou o conserto? O próprio clube, com dinheiro do orçamento. Então cobrar, tudo bem, mas sem dar prejuízo ao clube e sem violência.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS