Ponte Preta enfrenta Atlético-GO neste sábado (26), tenta a primeira vitória no Brasileiro e técnico Dado Cavalcanti quer time mais agressivo ofensivamente

 

Crédito obrigatório para reprodução da foto:
PontePress/VictorHafner

A equipe da Ponte Preta enfrenta o Atlético Goianiense, neste sábado (26) às 16h20, no estádio Serra Dourada. A partida é válida pela 2ªRodada do Campeonato Brasileiro da Série B e a Macaca precisa pontuar, já que na primeira partida empatou em casa contra o Icasa. O técnico Dado Cavalcanti explica como quer que seja a postura da equipe como visitante nesta rodada contra o rival goiano.

“É um jogo em que vamos enfrentar um adversário bem qualificado. Em um campo em que normalmente vão sobrar espaços. As dimensões do campo são bem grandes e isso propicia as equipes que tem boa qualidade jogarem. Não adianta encurtar espaços, porque fatalmente vão sobrar espaços. E não podemos abdicar de jogar também. Em uma situação como essa, a primeira indução que acontece é de se jogar longe um do outro. Em um campo muito grande você é induzido a isso, e a conduzir muito a bola. E o que nós precisamos é ter a consciência de que é algo que não podemos fazer”, diz.

O treinador pontua, então, como o time deve atuar. “Temos que jogar curtos, próximos um do outro, e evitar conduções. Trabalhar com passe, que por sinal é uma das nossas características. Então temos que ficar com a bola pé em pé, evitando deslocamentos mais longos, porque fatalmente se conduzirmos demais a bola vamos perder a posse e em um campo grande, perder a posse, dentro do nosso campo principalmente, faz com se torne muito difícil neutralizar o adversário. Minha intenção é fazer com que o time jogue e que possamos chegar com qualidade mais à frente”, afirma Dado que, dentro dessa mudança de postura, exemplifica como deseja que o time tenha um comportamento diferente do que foi contra o Paraná, pela Copa do Brasil na última terça-feira (22).

“Mudamos primeiramente um posicionamento nos jogadores de frente, em relação na forma de marcar. Talvez, com essa modificação, possamos criar uma situação de cobertor curto (encobre a cabeça e descobre os pés), mas principalmente pensando em sair de trás. Não podemos ficar tão atrás quanto ficamos nos últimos jogos. E nessa tônica de jogo, agredir o adversário, pois no jogo contra o Paraná finalizamos apenas uma bola. O goleiro adversário não pode terminar um tempo sem ter se sujado”, diz.

Para Dado, a Macaca precisa impor dificuldade ao adversário. “Essa perspectiva de agredir um pouco mais o adversário é a que eu tenho e que espero que aconteça. Que possamos chegar mais vezes ao gol. Não podemos sair de um jogo em que finalizamos 25 bolas contra o Icasa, para um outro em que finalizamos muito menos. É uma diferença grande entre um jogo e outro e vamos procurar uma consistência que nos traga a vitória”, confia o treinador.

Esse espírito de garra e de buscar a vitória não é baseado no que o treinador vê do elenco somente, mas sim, e Dado deixa bem claro, do modo como o comandante alvinegro enxerga a prática do futebol que considera interessante.

“Eu tenho com o objetivo isso (ter um time com intensidade e objetivo). É algo que eu trago comigo. Nós não podemos passar jamais pelas características individuais de cada atleta. O que nós podemos fazer é extrair os 100% de cada jogador nessa característica, nessa velocidade. Nóstemos no nosso elenco jogadores que cadenciam mais o jogo, mas que podem acelerar com o passe. O Fernando Bob e o Adrianinho são assim. São inteligentes,que com o passe em velocidade, podem acelerar o jogo. E eu tenho falado com eles que é necessária essa característica. Em contrapartida nós temos jogadores que ultrapassam. Temos dois homens velozes pelo lado, o Daniel Borges e o Magal, que são de velocidade. Temos o Elton, que aproxima muito ao ataque e chega com muita velocidade à frente. Talvez até mais com força, mas também chega. E dentro desses jogadores que temos à disposição, procuro extrair o máximo deles”, avalia Dado, que mostra estar bem consciente de que o time ainda pode render bons frutos na competição.

“Nessa sequencia de três jogos fiz mudanças muito pontuais, um ajuste e outro, e estamos indo para o terceiro jogo com um trabalho tático e muito mais conversa do que propriamente suor derramado. Na próxima semana teremos mais tempo para trabalhar contra o Luverdense. E nessa condição acho muito mais simples fazer as modificações que estão sendo treinadas. Para o jogo deste sábado temos que valorizar, mas não deixar de ser ofensivos e nem de sermos velozes também”, completa.

A partida desta noite tem transmissão pelas rádios esportivas de Campinas (AM 870 e 1170; FM 99,1) e Premiere FC.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS