Ponte enfrenta Sport na Ilha do Retiro nesta quinta-feira (27) e Eduardo Baptista espera time mais amadurecido para vencer fora de casa

 

Foto: PontePress/FábioLeoni

A Ponte Preta enfrenta o Sport na noite desta quinta-feira (27), em mais um confronto válido pelo Campeonato Brasileiro Série A. O jogo será às 20h30, no estádio Ilha do Retiro, em Recife/PE. Para o técnico Eduardo Baptista, apesar da Macaca estar conquistando ao longo da competição, mais pontos dentro do que fora de casa, o time apresenta um bom futebol e tem condições de melhorar sua performance longe dos seus domínios.

 

“Temos feito grandes jogos fora. Contra o São Paulo, a meu ver, merecíamos algo melhor. Mas que bom que a Ponte Preta dentro de casa faz uma boa campanha. Quando iniciei aqui a nuvem é que iria cair. E a Ponte com sete rodadas de antecedência garante a manutenção. Uma equipe que reconstruímos. Para se ganhar fora de casa tem que ter uma maturidade a mais e isso é só com o tempo de trabalho, em conjunto e temos tentado buscar essa maturidade. Em casa nós conseguimos, mas fora demora um pouco mais”, explica o treinador, que pondera.

 

“Fizemos uma campanha segura, quando todos falavam que iríamos cair. Tomo bastante cuidado para não desmerecer essa campanha e esses atletas que fazem um grande trabalho. Poderíamos estar junto com as equipes de baixo, com o orçamento pela metade de todos os times que estão lá, com exceção do América Mineiro. Tivemos muitas dificuldades, um grupo bastante reduzido e ganhar dentro e fora é difícil”, reforça.

 

Sobre o confronto diante do rival pernambucano, Eduardo espera dificuldades. “O Sport é uma equipe forte. A Ilha do Retiro é diferente dos outros estádios. Tem uma química ímpar, o torcedor vai comparecer e é ter maturidade para saber segurar o Sport, jogar e quando tiver a chance matar. Não vai ser um jogo em que teremos muitas chances, mas as que tivemos é preciso ter tranquilidade de fazer os gols e definir a partida”, afirma o comandante, que terá o desfalque do atacante Roger, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. No seu lugar, Pottker deve ser escolhido.

 

“O Roger completa o nosso sistema. Por um motivo não técnico tivemos que substituí-lo contra o São Paulo. O risco de ele ser expulso era muito grande e forçadamente fizemos a alteração. E aí a equipe caiu. Nós paramos de segurar um pouco a bola porque ele faz esse pivô para nós. Mudou sua característica. Ele não é rápido, mas se movimenta para frente. Ele nos deu essa condição e fora que é uma cara parceiro, que se precisar puxar a orelha de um menino ele puxa, tem liberdade para isso. É especial, está fora desse jogo, mas que bom que temos o Pottker. É o artilheiro do time, tem feitos gols decisivos e é mais uma chance para ele iniciar a partida. Está consciente, vamos buscar esse resultado e quem sabe não é com gol do Pottker que traremos a vitória”, confia o treinador, que diz como projeta o time com Pottker iniciando a partida.

 

“O Pottker não é o cara do pivô. Muda um pouco o estilo, até porque ele joga lançado. O Wendel e o Maycon fizeram uma grande partida sábado dando esse apoio pelas beiradas. Os laterais funcionaram bem, principalmente o Reinaldo. Muda um pouco e temos a característica de tentar jogar. Contra o Sport seremos sufocados no início e o contra-ataque também é uma arma pois temos a característica do Pottker para isso”, completa.

 

Caso você não esteja em Recife/PE, tem como opções acompanhar a partida da Macaca pelo Premiere FC, pelas rádios esportivas de Campinas – FM 99,1 e AMs 870 e 1170, e pelas webrádios PonteNews e Macacada Reunida.

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS