Ponte enfrenta Internacional na noite desta quinta (17), em Porto Alegre/RS, e Eduardo Baptista diz que escalará atletas que tiverem brilho no olhar ao jogar futebol

 

Foto: PontePress/FábioLeoni

 

 

A Ponte Preta entra em campo na noite desta quinta-feira (17), para enfrentar a equipe do Internacional. O jogo, válido pela 35ª Rodada do Campeonato Brasileiro Série A, será no estádio Beira Rio, em Porto Alegre/RS, às 21 horas. O confronto promete ser tenso e de muita disputa. Se por um lado a equipe gaúcha figura na zona de rebaixamento, com 38 pontos somados, a Macaca não vence há três rodadas e precisa voltar a pontuar, para almejar algo a mais na competição. O técnico Eduardo Baptista teve um tempo interessante de preparação, uma vez que a última partida foi dia 6 de novembro e com isso pôde fazer testes para melhorar o time.

 

“É raro no futebol ter um intervalo de quase 12 dias e quando se tem isso, dentro de uma semana cheia, algumas coisas que você não consegue testar no período de quarta a domingo ou até mesmo de domingo a domingo, ajuda a colocar em prática e observar algumas situações que se pode ter no jogo. Tudo que imaginávamos e queríamos testar fizemos na semana passada. Essa semana já foi mais voltada ao Internacional”, conta o técnico, que deve fazer mudanças no time e também baseado em uma circunstância: o olhar de vontade do atleta.

 

“Damos oportunidade para todos. Nesse momento escalaremos pela parte tática, mas também pelo olhar do atleta. Temos 28 atletas, sei da característica de todos, é lógico que a parte tática e técnica têm importância, mas o olhar passou a ter um peso grande. Todos têm chance”, afirma o treinador, que espera ver o time atuando de igual para igual contra o Inter.

 

“Vamos para um jogo extremamente difícil e como acabei de dizer: o brilho no olho que teremos na hora do jogo é de suma importância. Vamos enfrentar um time que vem para o jogo da vida deles. O Inter está em uma situação extremamente complicada, estão se preparando, pressionados e nós temos que enfrentá-los no mesmo nível, com imposição, personalidade, para que possamos fazer uma grande partida. Vamos buscar a vitória, como sempre fazemos, mas o empate não é um mal resultado, porque se trata de um embate complicado. É uma decisão de campeonato”, ressalta.

 

O treinador faz questão de mostrar que quer o time focado dentro de campo e busca a melhor formação. “Do time que vai iniciar, 80% tem contrato para o ano que vem. É responsabilidade nossa acabar bem o ano, porque teoricamente é a equipe que vai iniciar o Campeonato Paulista. Não é porque às vezes as coisas não andaram bem que temos que largar ou afrouxar um pouco. A responsabilidade dos atletas é grande e a minha é de escolher as melhores peças, dar oportunidade para quem não teve, pois ainda me incomoda o fato de não ter dado chance para alguns”, revela Eduardo, que enfatiza.

 

“Léo Cereja é um caso. É um menino que vem se destacando, mas nesse momento eu vejo que ainda não é o ideal escalá-lo, porque são jogos extremamente pesados. Quero dar até o fim do campeonato uma oportunidade a ele. O próprio Ravanelli eu gostaria de rever, porque teve um início de Brasileiro espetacular. Caiu um pouco, oscilou, o que é normal, mas depois não consegui dar chance a ele. O primeiro momento é de se concentrar e acabar bem, independentemente da posição. São quatro jogos para fecharmos bem e dar oportunidades assim que possível”, diz o treinador, que complementa.

 

“O Matheus Jesus vem se destacando. Esperamos poder, se não agora, mais para frente usá-lo. No amistoso contra o Atibaia ele e o Ravanelli foram os diferenciais. Temos que ter tranquilidade na hora de finalizar. Nosso segundo tempo contra eles foi diferente, com uma marcação mais adiantada, fizemos três gols e a produção foi maior. É a participação lá na frente e coragem de jogar que conta. A disposição da equipe foi muito boa na segunda parte desse jogo-treino”, reforça.

 

Ainda sobre o campeonato, o comandante tem consciência de onde a Ponte pode chegar e cobra seu elenco em cima disso.  “Não podemos achar que está tudo bem, como também achar que está tudo perdido na parte de cima da tabela. Nós temos que fazer a nossa parte. Não adianta ficar torcendo para um time empatar e outro perder. A Ponte Preta sempre se colocou bem no Brasileiro quando ela fez o que deveria. Nas últimas partidas nós paramos e por isso ficamos um pouco para trás. Está na hora de voltar a fazer o que somos capazes”, afirma o técnico, que mostra confiança no espírito vencedor dos seu time para o jogo desta noite.

 

“O atleta tem que estar jogando no seu limite, seja o jogo que for. É isso que tento colocar em cada um. Quer jogar a Série A? Seja comprometido, focado, com contrato assinado ou não, vá busca a competição. Temos buscado isso no grupo, principalmente com os mais novos. Uns tem mais e outros menos qualidade. Mas o brilho no olho, a gana de ganhar, de disputar, de jogar contra o Internacional com 50 mil pessoas, isso o cara tem que ter. Se não tiver isso, não atua em Série A por muito tempo. Temos pregado isso e esse é o espírito que vai estar hoje em Porto Alegre”, completa.

 

Caso você não esteja no Beira Rio, tem como opções acompanhar a partida da Macaca pelo SporTV,  Premiere FC, pelas rádios esportivas de Campinas – FM 99,1 e AMs 870 e 1170, e pelas webrádios PonteNews e Macacada Reunida.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS