Ponte embarca no final da manhã para Salvador e Uendel se diz à vontade para atuar como volante: Estou à disposição do Paulo para ajudar em qualquer posição

 

A Ponte Preta treina na manhã desta terça (13) e na sequência embarca para Salvador, onde enfrenta o Vitória. O jogador Uendel, que originalmente é lateral, mas na última rodada atuou como volante, se mostrou à vontade na posição e diz que pode repetir a atuação amanhã caso este seja o desejo do técnico Carpegiani.

 

“Contra o Criciúma foi um bom jogo de toda a equipe, conseguimos fazer o que o treinador pediu. Antes da partida fizemos treinos com portões fechados e com essa situação de eu jogar no meio. Já tinha treinado assim em um jogo-treino contra o Audax e ele disse que tinha gostado. Então ele precisou que eu exercesse essa função e deu certo”, afirma.

 

Uendel deixa claro que não importa a posição que o técnico escolher para ele, desde que possa auxiliar a equipe. “Estou à disposição do Paulo para ajudar em qualquer posição. Neste jogo teremos a volta de jogadores importantes e ele vai armar com o que ele observar do Vitória. Talvez precisasse um pouco mais de marcação no último jogo fora, mas quero estar sempre disposto a ajudar”, diz.

 

O polivalente jogador acredita que a vitória diante do Criciúma era fundamental para as pretensões da equipe no Brasileirão. “Tínhamos conversado sobre a importância da partida antes do jogo, porque o adversário estava numa posição perto da nossa. Até o empate seria ruim por causa da sequência. Encaramos um jogo como uma final, pois se tratando de pontos corridos todos são importantes”, afirma.

 

E completa: “Foi complicado, mas a vitória tinha que vir de qualquer maneira. E veio num dia importante para a nossa torcida, por causa do aniversário do clube. Esse presente foi para eles”, ressalta o atleta, que explica que sempre se mantém motivado, mesmo fora do time titular.

 

“Encaro com naturalidade. Às vezes muitos de nós ficamos chateados por sair do time, mas eu não sou dessa maneira. Sou profissional e faço o melhor pelo time. Esse tipo de mentalidade tem que existir aqui. Se saiu do time hoje não é por uma situação técnica às vezes, mas sim tática. No jogo em São Januário eu pude entrar, também ajudei e nesse entrei numa outra função. Estamos somando pontos e talvez o Carpegiani mexa no time de novo. Mas o pensamento de se sentir importante tem que existir sempre na equipe”, diz.

 

O jogador finaliza elogiando o trabalho do atual treinador. “O Paulo passa que quer jogar fora da mesma forma que joga dentro. Ele entende muito de futebol e com certeza a equipe que ele vai montar será cirúrgica para conseguir os três pontos”, aposta.

 

 

(Crédito obrigatório para reprodução da foto: PontePress/GuilhermeDorigatti)

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS