Apresentadora da festa dos 115 anos, Patrícia Maldonado está de malas prontas pra vir a Campinas: “Faço questão de viajar 9 mil quilômetros se é pra comemorar os 115 anos da Macaca”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 2012 ela não só fez sucesso como mestre de cerimônias da festa de aniversário da Macaca como ainda ganhou o título de Cidadã Pontepretana – a honraria concedida anualmente pela AAPP a pessoas que nas mais diversas áreas se destacam por enlevar o nome do time. Neste ano, a jornalista Patrícia Maldonado tinha acabado de se mudar para Orlando (EUA) com a família, mas nem titubeou ao aceitar o convite para comandar a celebração dos 115 anos – que será realizada na noite de 7 de agosto na Via Áppia.

"Fiquei honrada em ter sido convidada para comemorar os 115 anos da Ponte Preta junto com a nação pontepretana, fiz parte da de 2012 e foi inesquecível. Dessa vez recebi o convite quando estava a nove mil quilômetros de distância do Brasil, já que acabo de me mudar com a família para Orlando, na Flórida, mas mesmo assim fiz questão de topar e voltarei pra Campinas apenas para comemorar com os torcedores alvinegros. Uma data tão importante merece!”, diz Patrícia, que sempre se declarou publicamente como pontepretana de coração.

Ela conta que, independentemente de onde está, continua de olho na Macaca. “Mesmo de longe eu continuo acompanhando o trabalho do Guto Ferreira e da equipe e torço muito sempre. Tenho certeza que a Macaquinha vai voltar a vencer no Brasileirão e ainda vai dar muito trabalho na Sulamericana”, afirma. 

História de uma paixão

A certidão de nascimento diz que ela nasceu em São Paulo, mas o time do coração é de Campinas, com muito orgulho. Patrícia mudou para Valinhos aos três anos de idade e começou a torcer pela Ponte Preta na adolescência. Com 13, 14 anos, Patrícia começou a torcer pelo time e a ir ao estádio assistir jogos da Macaca, e se apaixonou pelo time. Paixão que continuou quando transferiu sua casa para Campinas, por volta dos 18 anos.

Aluna da PUC-Campinas, trabalhou no Correio Popular e na Folha de São Paulo.  Depois, foi para a SporTV, onde pedia para vir cobrir os jogos da Ponte Preta. “O pessoal sempre queria cobrir as partidas em São Paulo e eu queria fazer os jogos em Campinas. Passei a torcer com mais afinco ainda”, lembra ela que, ainda pela SporTV – na qual trabalhou de 1999 a 2004 – fez parte da cobertura da Copa do Mundo da Coréia/Japão. Depois, na Record, participaria da cobertura jornalística de outro mundial, o sediado na Alemanha.

 Independentemente do coração alvinegro, porém, Patrícia garante que – quando está trabalhando – consegue separar o lado pessoal e o profissional. “Sou pontepretana, mas como jornalista tenho que ouvir os dois lados, relatar com imparcialidade.”

 Casada com Guilherme Arruda e mãe das pequenas Nina e Maitê, Patrícia agora atua como correspondente da TV Bandeirantes nos EUA e não sabe quando conseguirá ir novamente ao estádio para ver de perto a Macaquinha – mesmo a partida contra o Flamengo, dois dias depois da festa, será difícil para ela, já que a princípio está fazendo um “bate-e-volta” Brasil-EUA apenas para apresentar a cerimônia.  

“Mas repito o que disse em 2012: desejo que a torcida encha o Majestoso e apoie sempre o time, seja realmente mais um jogador em campo. Ver o torcedor pontepretano lotando o Majestoso, ver o estádio cheio, é algo que sempre me arrepia”, finaliza. 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS