Ocimar Bolicenho fala sobre a contratação do novo treinador pontepretano

O técnico Jorginho tem condições de recolocar a Ponte Preta nos eixos, assim como os jogadores da Macaca podem render muito mais em campo do que têm demonstrado nas últimas partidas da Macaca. Esta é a opinião do executivo de Futebol pontepretano Ocimar Bolicenho, que revela como foram os bastidores da escolha do treinador que comandará o time pela primeira vez na noite desta terça.

 

“No sábado, depois que o Carpegiani pediu demissão, a diretoria ficou até a uma hora da manhã no hotel da concentração conversando sobre nomes possíveis e trabalhei o domingo inteiro em cima disso. Verificamos quais treinadores tinham um bom trabalho e potencial para trabalhar na Ponte, quais já estavam empregados, quais estavam dentro ou fora do padrão financeiro. O Jorginho atendeu aos pontos que entendemos serem cruciais e ainda demonstrou disponibilidade imediata, ele mesmo sugeriu já estar em Campinas na segunda para treinar o time e já assumir o comando contra o Criciúma, o que consideramos também extremamente positivo”, diz.

 

Decidida a vinda e negociados os termos com o técnico, Jorginho chegou a Campinas por volta das 12h30 de ontem. “Como haveria tempo para um único treino, fizemos uma logística diferente. Ele e comissão técnica chegaram, foram apresentados aos atletas e já conversaram com todos. Depois houve o treino e ele se concentrou com o elenco no hotel, daí foi apresentado oficialmente hoje. Se fizéssemos a apresentação e coletiva antes, não haveria tempo para este contato com o grupo e o trabalho inicial”, explica.

 

Bolicenho conta que o técnico demonstrou conhecer e acompanhar a Macaca no Brasileiro. “Uma vantagem neste sentido é que tivemos um jogo contra o Flamengo quando ele era treinador e vencemos. Então a primeira observação que ele fez foi que um clube que jogou como nós fizemos em Juiz de Fora não pode estar como esta e ele tem razão, até porque aquele time era completamente diferente do que o Carpegiani vinha usando. Então ele agora vai ver isso de perto e colocar o dedo dele.”

 

O executivo acrescenta ainda que nem todos os atletas do grupo de aproximadamente 30 que compõe o elenco estavam tendo as oportunidades que poderiam ter. “Considero este grupo até mais forte do que o do ano passado, pois foi montado para isso, com bastante critério. Mas há jogadores que estão atuando muito abaixo potencial”, afirma. Na opinião dele, parte do problema está nos vestiários, onde há jogadores que precisam receber tanto mais cobranças quanto mais incentivos.

 

“Vamos ganhar muito em termos de vestiário, o Jorginho tem uma comissão técnica maior, tem o Ailton que é ex-jogador e faz essa parte de conversa com grupo, transmite alegria e força para quem não está tendo a possibilidade de jogar naquele momento, isso faltou um pouco com Carpegiani”, afirma.

 

E completa: “O elenco é muito mais competente do que mostrou, tem muito mais a mostrar e mais a pontuar também. O Jorginho também  acredita nisso, até porque se não acreditasse nem aceitaria o convite. E esse potencial tem que começar a se revelar logo. Contra o  Criciúma hoje não podemos esperar uma modificação completa, não pode ser tão diferente com um treino apenas, mas é importante que joguemos bem para nos classificar para a próxima fase e efetivemos a participação na fase internacional do campeonato.Temos vantagem do placar conquistado lá, mas temos que estar atentos em campo.”

 

Disciplina, contratações e críticas

 

Ocimar Bolicenho comenta também um episódio que se tornou público, sobre alguns atletas que pediram para sair à noite após a derrota para o Vitória e tiveram o pedido negado pela Comissão . “Foi algo interno que ocorreu em Salvador nos desgostou. Alguns jogadores, após a derrota, pediram para serem liberados para sair a noite. Isso nos chocou, em uma derrota o atleta não tem esse direito, tem que ter o mesmo sentimento que o dirigente e o torcedor. Aquele grupo não teve, uma reunião foi feita e providências tomadas”, diz.

 

Na opinião do executivo de futebol, a postura de todos os jogadores em campo deverá ser de dedicação total.  “Todos terão novas oportunidades com nova comissão técnica para demonstrar trabalho e desempenho, não é no nome que vão ganhar vaga ou não no time. Agora, com a mudança de comissão, quem não demonstrar também mudança de atitude não servirá para permanecer”, pontua.

 

Sobre contratações, Bolicenho conta que há tratativas em andamento, com foco em trazer para a Ponte Preta mais um atacante de velocidade e um meia de ligação. “Temos negociações em andamento, mas para serem efetivadas teremos de obter também o aval do Jorginho. Contratar efetivamente esta ou aquela peça para uma posição onde temos carência dependerá da chancela dele.”

 

Por fim, o executivo comenta as vaias e críticas que foram dirigidas por parte da torcida a ele, em especial após a derrota para o Cruzeiro. “A torcida tem o direito de fazer suas críticas, mas é preciso que fique claro que eu, como Executivo de Futebol, fui contratado para agir – sob quaisquer circunstâncias – com a razão, enquanto o torcedor é pura emoção. Meu trabalho tem que ser julgado e avaliado, sim, mas não por resultados individuais em jogos e sim pelo desempenho final nas competições. E acredito piamente que a Ponte vai melhorar esse desempenho, estamos trabalhando duro para isso”, conclui.

 

(Crédito obrigatório para reprodução da foto:PontePress/DJotaCarvalho)

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS