Marcelo Oliveira destaca que partida contra o Oeste, na terça (24), será crucial: “É um jogo decisivo, importante para pontuar e os concorrentes vão jogar entre si, então será a oportunidade de avançar e nos aproximarmos do G4”

Publicado em: 21/11/2020


Foto:PontePress

Com uma invencibilidade de quatro jogos e um início de segundo turno levemente melhor que o primeiro (são três empates, contra uma derrota e dois empates contra os mesmos adversários no início da competição), a Ponte Preta conseguiu trazer um ponto da Bahia na tarde de ontem. A distância do G4 é de quatro pontos e, por essa razão, o técnico Marcelo Oliveira considera fundamental vencer o Oeste na próxima rodada, em partida marcada para a noite da próxima terça (24), no Majestoso.

“Apesar do placar, ficamos satisfeitos com o rendimento e com o equilíbrio entre ataque e defesa ontem, por isso a gente cria uma expectativa grande para o próximo confronto. Será  um jogo decisivo, importante para pontuar, e os concorrentes vão jogar entre si, então será seja a oportunidade de avançar e aproximar mais do G4”, diz o treinador, referindo-se ao fato que América-MG e Juventude também jogam na noite de terça.

Felicidade e decepção

Sobre a partida em Salvador, Oliveira enfatiza que o ponto conquistado fora deve ser valorizado, mas revela um sentimento de dubiedade – no qual não falta a crença de um futuro promissor para o elenco.  “Ficamos felizes com equilíbrio do time, algo que vínhamos bscanto há algum tempo, mas um pouco decepcionados pela posição na tabela. Porém, temos tempo para recuperação, principalmente porque os concorrentes vão se confrontar e teremos boas chances de pontuar em casa”, acredita.

Ainda falando do jogo de ontem, Oliveria analisa. “Criamos a estratégia de atrair mais o Vitória e exercer o contra-ataque e conseguimos fazer isso, especialmente no primeiro tempo, porém não caprichamos na parte técnica, no último passe, para fazer o gol nas chances que tivemos.  Foi uma oportunidade não-aproveitada, mas temos que valorizar o ponto”, enfatiza.

Opções na titularidade

O treinador também fala sobre a opção que fez por colocar Wanderley no time titular, que recebeu diversos elogios – muitos, inclusive, lamentaram a saída do atleta no segundo tempo. “O Wanderley chegou um pouco aquém na forma física, mas agora está apto, vem treinando muito bem. Ele é experiente, tem excelente mobilidade, então optamos por começar com ele, já sabendo que atuar apenas no primeiro seria o tempo correto fisicamente para ele neste momento. O Peixoto entrou no lugar dele e lutou muito, mas infelizmente não conseguiu concluir”, relembra.

Oliveira  conclui abordando um pouco as demais substituições que efetivou no decorrer da partida. “O Apodi saiu por cansaço, estava muito calor e ele não conseguiria suportar mais do que ficou. No caso do Barreto, além do cansaço eu quis dar mais toque de bola e  renovar fisicamente ao colocar o Neto Mouta, que está treinando bem, pra tentar chegar ao gol. No segundo tempo colocamos praticamente todos os atacantes que tínhamos - Pato, Luan e Peixoto - para tentar gol, mas sem perder o poder de marcação, pois do outro lado tínhamos um adversário que também saia para jogar e marcar o dele”, finaliza.


Outras Notícias


Veja Também

Newsletter Digite seu e-mail para receber nossa newsletter
Redes Sociais