Brigatti parabeniza o elenco pela virada que levou a Ponte a terminar o Paulista entre os quatro melhores e prevê um bom Brasileiro, com “time forte, muito trabalho e humildade”

Publicado em: 03/08/2020


Foto: PontePress/LuizGuilhermeMartins

De último colocado a um dos quatro melhores do campeonato em 2020 em apenas três jogos – com 100% de aproveitamento em cada um deles e incluindo aí a eliminação de um favorito a chegar às semifinais, o Santos.  Com essa façanha no currículo, a Ponte Preta “caiu de pé” ontem ao perder por um a zero o jogo das semi – no qual enfrentou o Palmeiras de igual para igual -  e, levando em consideração o desempenho e garra do time nos últimos quatro jogos, o técnico João Brigatti prevê um bom início de Brasileiro, na noite do próximo sábado (8).

“Primeiro temos que dar parabéns a todos os atletas pelo empenho que tiveram neste retorno. Ontem, inclusive, foram guerreiros, honraram a camisa da Ponte Preta. Essa camisa é pesada e  que fizemos no torneio após a parada em virtude do Coronavírus faz com a gente entre com mais força  no Brasileiro. Mas temos que ter pé no chão , sabendo a dificuldade que é a série B.  Temos que ir passo a passo, com muita humildade e trabalho  -  que foi o que permitiu essa reviravolta no Paulista – para manter a mesma pegada e determinação”, diz o treinador.

Estreia

Brigatti ressalta que espera um jogo difícil na estreia da competição nacional, marcada para às 21 horas de sábado (8) contra o América-MG, mas está confiante em mais uma boa apresentação da Macaca. “Temos vários atletas para incorporar a esse grupo e acredito em um elenco forte, com a certeza de que já no sábado, contra o América, a Ponte esteja renovada e pronta para começar com o pé direito. É um confronto difícil, temos que estar muito bem preparados para conseguir a primeira vitória”, diz.

A ampliação do elenco – que agora passa contar com o meia Camilo,o lateral Ernandes, os zagueiros Luizão e Rayan, e os volantes Neto Moura Luis Oyama – é vista como extremamente positiva por Brigatti, não só por somar mais qualidade como também pela necessidade de alternar os atletas em virtude do calendário apertado, com poucos intervalos entre partidas.

“No Campeonato Brasileiro é totalmente diferente, a gente joga no sábado contra o América-MG, depois temos viagem contra o Brasil-RS, com jogo na terça, e depois na sexta outra pedreira com o Vitória em Campinas. Vamos ter de rever muitas situações jogo a jogo e queremos sempre um time saudável, então vamos ter situações de mexer bastante de um jogo para o outro, sempre em busca do equilíbrio físico, de manter o poderio respeitando a saúde dos atletas.”

Jogo contra o Palmeiras

Sobre o jogo de ontem, Brigatti faz uma análise crítica. “Temos que dar os parabéns para esse grupo, que conseguiu de maneira surpreendente para muita gente sair de uma condição de quase rebaixado para chegar na semifinal.  Mas não gostei do início da partida ontem, sabíamos que teríamos dificuldade com gramado e com desgaste, até porque quando voltamos de Santos chegamos quase às 6 da manhã em Campinas e o Palmeiras teve um dia a mais de recuperação, mas isso não é desculpa”, diz.

Ele complementa: “Nosso time não entrou tão concentrado como contra o Santos, o que também é até natural por tudo que envolveu, mas foi um processo de recuperação muito grande. O Luxemburgo veio dar os parabéns pela postura e nós temos que enaltecer o elenco: todos honraram a camisa.”  


Outras Notícias


Veja Também

Newsletter Digite seu e-mail para receber nossa newsletter
Redes Sociais