Jogadores e comissão passam por testes de Covid-19: mais dois são colocados em quarentena e resultado sorológico de funcionários é negativo; diagnósticos deverão ser fechados na semana que vem

Publicado em: 27/06/2020


Fotos:PontePress/LuizGuilhermeMartins


A Ponte Preta finalizou neste sábado (27) a realização dos testes para detecção de Covid-19 aos quais, em cumprimento aos protocolos sanitários e orientações para volta aos treinos no dia 1º,  está submetendo elenco, comissão técnica e funcionários. Todos os exames sorológicos realizados ontem (26) inicialmente com 67 colaboradores deram negativo. Já nos efetivados hoje, dois foram inconclusivos e deverão aguardar o resultado do PCR na semana que vem. Neste ínterim, por segurança, o preparador de goleiros Betão e o zagueiro Cléber Reis ficarão em quarentena.

“Estamos atuando até com um excesso de zelo, sendo mais rigorosos que o exigido, porque entendemos que a saúde e a vida estão acima de tudo. O teste sorológico tem baixa sensibilidade e foi inconclusivo para os dois. O critério conclusivo é o PCR, cujos resultados devem sair na terça-feira. Os questionários epidemiológicos do Betão e do Cléber não indicam nada, ambos estavam com temperatura normal e sem nenhuma queixa clínica, o que são ótimos indicativos, mas vamos aguardar o PCR e, enquanto isso, por segurança os dois cumprirão quarentena”, diz o diretor médico pontepretano Roberto Nishimura.
 

 

Ele acrescenta que a Ponte deverá seguir sempre por esta linha mais rígida e conservadora, de modo a garantir a máxima segurança a todos. Já estavam em quarentena o atacante Roger e o volante Bruno Reis, por terem parentes próximos com coronavírus, porém nenhum dos dois apresenta sintomas. O camisa 9 já recebeu resultado negativo de PCR e fará a contraprova na segunda-feira – caso venha um segundo resultado negativo, estará liberado para treinar. Já o resultado do primeiro PCR de Bruno fica pronto na semana que vem e só então será feita a contraprova.

Darnley imune

Outro resultado já detectado pelo exames diz respeito ao volante Darnley. Foi detectada a presença de anticorpos IGG no sangue do atleta, ou seja, ele já teve contato com a doença – de maneira assintomática - e está imunizado. “Neste caso, foi feita a notificação à Vigilância Epidemiológica, como determina a lei, e o atleta está liberado para treino. Realizaremos, porém, um protocolo para o pós-covid, com tomografia de tórax, exame de sangue e outros. Mais uma fez, queremos pecar pelo excesso de zelo, para ter certeza que ninguém correrá riscos desnecessariamente”, explica Nishimura.
 

 

Parceria eficiente

Roberto Nishimura registra que as ações de ontem e hoje são fruto de uma parceria exitosa com a Coopus e a PUC-Campinas, por meio do hospital da universidade. “Toda a estrutura elaborada para este momento funciona em decorrência desta parceria de sucesso, não apenas para coletas de exames, mas para o enfrentamento do que temos pela frente. O atendimento primária aos atletas é feito pelo Departamento Médico da Ponte, o secundário pela Coopus, por meio de seu centro clínico, e o o terciário pela PUC, com as intalações do Hospital e UTI caso haja necessidade de internação”, diz.
 

Ele complementa: “Além disso, temos o suporte científico a todas as ações realizadas dado pelo hospital, por meio do diretor de pesquisa Danilo Villagelin e do diretor clínico Carlos Augusto Mattos, e por mim representando a Ponte Preta.”



 

 


Outras Notícias


Veja Também

Newsletter Digite seu e-mail para receber nossa newsletter
Redes Sociais