Elenco treina na tarde desta quinta-feira e Lucas Patinho, apresentado nesta quarta (16), garante que a Ponte tem condições de fazer um bom Brasileiro

 

Crédito obrigatório para reprodução da foto:
PontePress/GuilhermeDorigatti

O time da Ponte Preta segue em preparação para a estreia no Campeonato Brasileiro. Nesta quinta-feira (17), os atletas treinam no período da tarde no Moisés Lucarelli. Um dos novos reforços da equipe, o meia Lucas Patinho foi apresentado nesta quarta-feira (16) e falou sobre o seu apelido e o que projeta na sua chegada ao clube.

“Em relação ao Patinho no meu nome, não tem muito a ver com o Alexandre Pato não. Mas sim faz referencia a um atleta que jogava no Fluminense. Disseram que eu parecia com ele, tem dado certo e resolvi manter esse apelido. A expectativa é enorme. Vou procurar encontrar meu espaço aqui, e dar meu melhor, respeitando a todos, mas vou me esforçar ao máximo para jogar na Ponte”, diz o atleta que tem 1m93 de altura.

“De certo ponto essa altura ajuda. Eu acabo me sobressaindo um pouco mais, por causa da forma física. Mas já me adaptei bem ao meio de campo e está sendo tranquilo”, acrescenta o jogador, que foi revelado pelo Fluminense, mas acabou sendo emprestado a alguns clubes durante esse período em que subiu para o profissional.

“Essas pequenas transferências de empréstimo foram importantes para a minha carreira. Eu peguei muita experiência com isso e pretendo usar isso para ajudar a Ponte a voltar para a primeira divisão”, acredita Lucas.

Ainda nesse assunto, o jogador relembra o técnico que o levou para o profissional do Fluminense. Um velho conhecido da Ponte Preta, a quem o atleta é grato. “O treinador que eu aprendi mais foi o Abel Braga. Ele me ensinou como se jogar no profissional, porque tem aquela malandragem. Foi um dos treinadores que mais aprendi quando estive no time principal”, afirma o meio-campista, que já sabe a cobrança que o espera ao entrar nos gramados.

“Já tive informações da torcida da Ponte e que ela é exigente. Nessa profissão temos que estar preparados para tudo. Temos que jogar não só para nós, mas para a torcida. Eles veem o nosso espetáculo e tem o direito de cobrar. Temos que mostrar para ela que temos condições de jogar e fazer história na Ponte”, que vislumbra um bom ano ao clube no Brasileiro.

“A adaptação entre os jogadores é fácil. São atletas jovens. A média de idade não é alta. Com o tempo a adaptação vai melhorar e a qualidade do grupo é muito boa. O elenco tem condições de conquistar seus objetivos”, completa Lucas.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS