Para carioca Marcelo Lomba, confronto contra o Vasco é difícil, mas camisa 1 vê evolução do futebol da equipe como fator importante para somar mais pontos no confronto

Crédito obrigatório para reprodução da foto:
PontePress/GuilhermeDorigatti

A Ponte Preta enfrenta o Vasco na noite desta quarta-feira (03), fora de casa, pelo Campeonato Brasileiro da Série A, e o goleiro Marcelo Lomba, que está conseguindo uma seqüência de jogos com o time após contusão no início do ano, acredita que sua evolução e do time é um dos fatores pelo bom início de competição.

“Honestamente ainda acho que ainda não atingi o 100% da minha forma. Mas jogo a jogo vou pegando esse ritmo. Tenho mostrado evolução, estou com mais confiança, claro que a proteção defensiva que tenho recebido tem me ajudado bastante e espero que quando precisar eu apareça. Mas vejo toda equipe terminando exausta, o que mostra que a entrega de todos tem sido importante”, diz o carioca Lomba, que conta um pouco sobre esse período de retorno à sua casa.

“É bom voltar ao Rio de Janeiro. É a cidade que eu nasci, onde fui criado. Meus familiares estarão lá, os amigos, onde posso revê-los. Mas é muito rápido, que é envolve muito mais lado profissional do que o familiar. Sobre o sotaque carioca aqui no grupo, sempre é motivo de brincadeiras. O Bob é de São Pedro da Aldeia, o Biro Biro é de Queimados, então a galera fala que eles não são do Rio de Janeiro. Aí um fica implicando com o outro", diz.

Mas acrescenta: "É uma brincadeira saudável e todos estão felizes em voltar ao RJ em uma situação boa. Eu sou carioca mesmo, minha família é um pouco de Angra dos Reis, mas eu sou da capital. Quando eu vou para lá falam que já estou com sotaque de baiano ou de campineiro. Quando venho para cá falam que eu tenho sotaque de carioca. O pessoal tem que decidir.”

 Sobre o confronto contra os cruzmaltinos, o arqueiro pontepretano acredita que momento difícil do Vasco fará com que os rivais queiram se recuperar em cima dos campineiros. “O Vasco foi campeão carioca com méritos. Não começou tão bem o Brasileiro, mas vão achar que oportunidade de melhorar é agora, por estarem jogando em casa. Nós temos que de alguma maneira aproveitar isso, porque virão para cima", prevê.

Ele alerta, porém, que é preciso ter atenção. "Temos que tomar bastante cuidado, entrar principalmente no início do jogo em alerta. A torcida vai querer o resultado logo, só que temos as nossas armas. Temos um modelo de jogo, um padrão, e é marcar forte quando não tiver a bola e quando a tiver controlar, criar com toques rápidos, porque assim temos chances de vencer”, confia Lomba, que reforça afirmando que será um jogo complicado para os dois times.

“Eles vão querer muito vencer. Vão dividir, pressionar a arbitragem e por outro lado talvez a torcida pressione eles mais do eu deveria. Isso talvez tire um pouco da confiança deles. Mas estamos preparados. Sabemos que vai ser uma pedreira. Mas acima de tudo confiamos no nosso potencial, no futebol que estamos mostrando. Queremos manter o foco de superação e fazer mais do que as pessoas esperam. Isso depende muito de nós. Não é fácil, pelo contrário, é bem caro estar demonstrando esse futebol, porque exige muito, mas se comprometemos a fazer isso, vamos que vamos”, ressalta.

Marcelo Lomba também recorda um jogo contra o Vasco que mais o marcou. “Já tive bons confrontos contra o Vasco, desde a categoria de base. Já fui campeão em cima deles. Também já perdi. Mas um confronto marcante foi quando eu estava no Bahia, tinha acabado de sair do Flamengo e foi um jogo com o placar de 1 a 1. Foi uma boa partida. Juninho Pernambucano deu muito trabalho, e temos que estar atentos porque a torcida fica em cima. É sempre perigoso jogar em São Januário”, recorda o goleiro, que completa valorizando seus companheiros de defesa.

“O Tiago Alves e o Pablo estão muito bem. Assim como Renato Chaves e o Lobão quando entraram foram muito bem também. Os volantes e os laterais também participam muito. É tudo uma sintonia. É difícil marcação individual. Hoje em dia são marcações por blocos ou sistemas. Os sistemas um ajuda o outro a diminuir os espaços. Mérito do Guto que fica dia a dia trabalhando forte. Hoje estamos mais consistentes. Mas não podemos nos acomodar jamais. É muito gostoso estar em uma situação como essa.Como disse, o preço é caro, mas estamos dispostos a comprar. Estamos comprometidos e vamos para essa batalha em São Januário”.

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS