Hélio dos Anjos comemora “primeiro passo” na série B e prevê evolução: crescer em competitividade

Foto:PontePress/ÁlvaroJr

O empate em casa na estreia da série B do Brasileiro, tendo um time em transformação contra o campeão estadual do Rio Grande do Sul e um dos favoritos ao acesso, agradou ao técnico Hélio dos Anjos. Não que, destaca o treinador, a Ponte esteja satisfeita com um ponto, mas levando-se em consideração o contexto, o resultado foi um passo significativo, ainda que inicial.

“Foi um passo, um passo pequeno, mas gostei, em especial do comportamento que mostramos em campo. É claro que vamos crescer tecnicamente no que ainda deixamos a desejar, agora vai ter repetição de trabalho, o grupo vai ficar mais homogêneo. Todos os clubes que disputam a série B têm direito de sonhar com o acesso, mas pra ele vir temos que agir e ter comportamento pra buscar. O que foi mostrado ontem me enche de confiança, massei que ainda temos que crescer em nível de competitividade”, diz.

Neste sentido, o treinador comemora o fato de o confronto contra o Operário, válido pela segunda rodada, ter sido mudado desta terça (12) para o sábado (16. “Fiquei muito feliz porque tive condição de dar uma folga, hoje os atletas tiveram o dia com a família, para relaxar, recuperar mental e fisicamente. E a partir de segunda até quinta-feira vamos preparar o elenco aqui para fazer jogo contra o Operário. Esse intervalo grande é muito importante para treinar e porque está chegando gente nova. Então se temos tempo de padronizar esses atletas, temos que soltar foguete”, brinca.

Ele complementa: “As contratações que devem chegar até terça são altamente positivas e vão somar ao nosso elenco. Os jogadores que vamos trazer tem que ter perfil, ser encarnados, gostar de guerrear e ter qualidade para jogar. E nesta semana vamos melhorar para que sejamos ainda mais intensos que ontem. Gosto de ver time sair de campo com possibilidade de carregar uns quatro no colo, quando você faz um jogo e quando termina vê jogadores extenuados, porque deram seu máximo, a Ponte merece assim. Temos que lembrar que somos privilegiados de estar aqui.”

Hélio dos Anjos rala um pouco sobre o trabalho feito para o jogo de ontem. “Falamos muito em criar situação com identidade, de acordo com o que é a Ponte. Tivemos 18 dias de trabalho e trabalhamos muito dentro da nossa realidade fisiológica. Sabíamos que podíamos dar uma resposta melhor mesmo enfrentando uma equipe com nível de competitividade maior que a gente. Então procuramos criar estrutura tática para tirar o Grêmio do conforto”, diz.

O treinador fala mais sobre o tema. “Meus times tem de ter cara da equipe em que trabalho, e sou um privilegiado por trabalhar na Ponte aos 64 anos da idade, porque meu comportamento é muito parecido com a Ponte. Competitividade não pode faltar, o adversário tem que sentir dor e não estou falando de violência e sim da competitividade, do encaixe. Temos que resgatar muita coisa e para isso vai ter que ter sacrifício, como os nossos jogadores fizeram, trabalharam muito antes da estreia”, afirma.

Sobre as mudanças que fez no elenco, o treinador destaca a presença do jovem volante Amaral, que estreou no time titular.  “Ele estava treinando bem e decidi na quarta-feira, falei muito com ele e ele deu resposta maravilhosa. Amaral tem 18 anos, é a essência da Ponte, é usar a Base e criar grupo forte. Estamos cientes de que vamos ter muita dificuldade na competição, mas vamos superá-las”, conclui.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS