Guto Ferreira elogia postura aguerrida do time diante do Red Bull e já pensa em como armar equipe para a Copa do Brasil

 

Crédito obrigatório para reprodução da imagem:
PontePress/GuilhermeDorigatti

 

A Ponte Preta manteve a supremacia em Campinas ao vencer o Red Bull na primeira edição deste novo clássico da cidade na noite de sábado (28) por 2 a 1. O treinador Guto Ferreira considera o jogo de ontem como uma das melhores atuações do time até aqui e destaca a importância da marcação sob pressão imposta pela Macaca.

“Foi um jogo de alto nível, as duas equipes imprimiram uma intensidade bastante grande na partida. Eles tiveram uma proposta que não rifa a bola em hipótese alguma, têm dois jogadores bastante técnicos na saída de bola – que são o William Magrão e o Fabiano Eller. Nós pressionamos alto, roubamos muitas bolas que nos deram chances de gol. Fizemos um primeiro tempo muito bom que foi coroado com um gol no final", diz.

Ja a etapa complementar começou com um revés, mas, na opinião do treinador, a Macaca não sentiu.. "Tomamos um gol muito cedo na segunda etapa e nosso time não se intimidou, continuamos marcando forte sob pressão e com a defesa controlando o jogo, sem dar a penetração para eles. Conseguimos o pênalti e ainda tivemos outras chances para matar, ainda que não tenhamos conseguido mais gols”, diz Guto Ferreira.

Apesar da felicidade pela vitória, o comandante alvinegro já pensa em como vai montar a equipe para o confronto dessa terça-feira (03) contra o Vilhena pela Copa do Brasil. “Vamos estudar e ver o que temos para fazer. Com certeza temos coisas boas e diversos jogadores vão ter a oportunidade de jogar. Aquele que entrar vai fazer o melhor e nos ajudar a somar pontos e brigar por resultados e vitórias", afirma.

A equipe deixa o Majestoso logo às 6h45 de segunda (2) e Guto ressalta que todos os jogadores do elenco estão aptos a atuar no Nacional e cada um deles está pronto para isso. "Eu procuro tratar todo mundo igual, mostrando o nível de importância do jogador, e cobro até todos chegarem ao patamar de foco e raciocínio que precisamos, que é pensar na Ponte da maneira que a Ponte precisa dele. Quando conseguimos isso fica fácil trabalhar com todos e os desempenhos em campo crescem”, finaliza.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS