“Terror das Arenas”, Guto Ferreira diz que equipe se superou ao vencer o Palmeiras, mostrou competência em não tomar gols e eficiência em ter feito um: agora foco é no Botafogo

O técnico Guto Ferreira não esconde a satisafação em ter visto seus comandandos vencerem o Palmeiras na noite desta quinta-feira (05), fora de casa. O treinador da Ponte Preta, que impôs a primeira derrota da temporada ao reforçado Palmeiras na Allianz Parque – e foi chamado ontem por alguns repórteres de “terror das arenas” porque também já havia derrubado o Corinthians na estreia da arena corintiana quando comandava o Figueirense –  se declara feliz com a reação da equipe após o revés contra Portuguesa no jogo inicial e valoriza a superação do seu grupo diante do adversário. “O contentamento é bastante grande. A decepção depois do jogo da Portuguesa é o oposto de ontem, pela maneira que ganhamos e com a equipe se superando”, diz.

Agora, porém, o foco já é na próxima rodada, quando a Macaca irá pegar o Botafogo-SP fora de casa, em Ribeirão Preto. “Nós tivemos um dia a menos de descanso em relação ao Palmeiras e agora vamos ter dois dias a menos do que o Botafogo, que jogou na terça-feira, e ainda vamos viajar 300 km. São tabelas que não pesam esse lado e acabam desnivelando o campeonato através de logística. Mas nós temos que fechar o olho para tudo isso, não levar para o lado negativo, buscar o trabalho com todos, ver quem está descansado, avaliar quem se desgastou demais e colocar as peças que estão melhores para jogar, porque temos outros atletas que não atuaram ontem que têm plena condição de estar dentro de campo”, afirma o treinador.

Guto analisa a partida que deu a primeira vitória para a Ponte em 2015. “Em momento algum abrimos mão de jogar. Criamos oportunidade dentro daquilo que conseguimos encontrar, dentro das caracteriticas da equipe. Nós soubemos controlar o resultado depois de ter marcado. Em situações clarissimas de gol nós fizemos um, mas tivemos chances de fazer outros também. O Palmeiras não teve a competência de fazer nenhum, também pela grande atuação do Matheus. O importante é que contra a Portuguesa foi uma situação em que criamos várias situações, fizemos dois gols e demos três. E ontem tivemos a competência de não tomar nenhum e fazer um”, diz Guto.

O comandante reforçou os elogios ao arqueiro pontepretano e todo o corpo de goleiros do clube.“Matheus é um jogador promissor. Ano passado pelo Bragantino fez uma campanha de qualidade, o que nos propiciou trazê-lo. Tudo isso se deve ao talento dele, se deve ao trabalho do André Dias e do Eduardo Frattini e a Ponte, graças a Deus, está muito bem servida de goleiros”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS