Na reta final da temporada, Gustavo Bueno fala de renovações, contratações, treinador e planejamento para 2016

 

Crédito obrigatório para reprodução da imagem:

PontePress/RodrigoCeregatti

 

A medida em que a temporada de 2015 vai se encaminhando para o final os trabalhos nos bastidores dos clubes de futebol começam a aquecer. No estádio Moisés Lucarelli a Ponte Preta já começa a pensar em questões referentes à contratações de novos atletas, renovação dos jogadores que já fazem parte do elenco e todo o planejamento que envolve a disputa dos campeonatos em 2016.

“Nós estamos trabalhando essas situações internamente até para não atrapalhar diretamente no andamento do nosso trabalho. Temos ainda cinco rodadas e se começarmos a externar agora quem fica e quem sai iremos criar um descontentamento interno. Sabemos que estamos em um momento da competição em que o limiar de paciência está perto e o estresse aumenta pela sequência de jogos, pelo nível de competitividade, pelos oito meses treinando e jogando. O que eu posso garantir é que a nossa prioridade para o planejamento de 2016 é a mesma metodologia que tivemos nesse ano, primeiro ficando nas manutenções de quem entendemos importantes para a Ponte”, diz o gerente de futebol Gustavo Bueno, que destaca diversos pontos importantes nesse planejamento:

Marcelo Lomba:

“O que eu posso dizer é que a Ponte Preta vai fazer todo o possível para que o Lomba permaneça aqui até pela identidade e pelo o que ele fez esse ano. O que temos que entender é que o Lomba não é jogador da Ponte Preta e tem vinculo de mais dois anos com o Bahia. Então precisamos tratar isso com muita ética e cautela por respeito ao Bahia que nos cedeu o jogador neste ano que nos ajudou tanto. O Bahia também esta vivendo um momento de acesso na Série B, então já estamos conversando com o clube e o representante do jogador, mas é muito cedo para podermos dizer se o Lomba fica ou não na Ponte”.

Rodinei:

“O Rodinei é um jogador que não é nosso e tem contrato com o Penapolense. O interesse da Ponte Preta é na permanência do Rodinei, que é um jogador que dispensa comentários. Ele está sendo muito procurado inclusive por times do exterior e estabelecemos com os representantes dele um prazo para definição da situação do Rodinei que é até o final de novembro para definir se ele permanece ou não”.

Cristian e Clayson:

“O Cristian tem contrato com o Ituano até o final do Campeonato Paulista, mas já existem conversas com a possibilidade dele rescindir e ficar na Ponte Preta. Até mesmo porque é um jogador que já tem 36 anos e ficar no começo do ano na Ponte é muito melhor. De repente ele faz o Paulista pelo Ituano e a gente acaba trazendo outra peça e ele perde o espaço no segundo semestre. O Clayson tem no contrato dele uma opção de compra em que a Ponte tem a opção de trazê-lo e formatar um contrato mais longo. Estamos trabalhando nesse sentido, porque entendemos que é um jogador de futuro muito promissor”.

Leandrinho:

“É um atleta que tem contrato com a Ponte Preta e tem muita qualidade. Ele vai permanecer com a gente aqui em 2016 e vai ter mais oportunidades sim”.

Restante do atual elenco:

“Existem alguns atletas como o caso do Adrianinho, Borges, Josimar, Bady, Juninho, Diego Oliveira e outros, que vamos aguardar o término do Campeonato Brasileiro. As questões do Cristian e Clayson já aconteceram, o próprio Renato Chaves existia um interesse de outro clube então conseguimos antecipar uma situação e fazer a renovação. O Ferron era uma questão de que já existia em contrato essa questão da renovação. Os atletas que tem contrato se encerrando ao final do ano e são teoricamente livres iremos tratar internamente e dar um tempo até o final do ano para tomar uma decisão”.

Contratações:

“Nós temos alguns jogadores que estamos monitorando, assim como fizemos no final do ano passado para este ano. Alguns jogadores que temos interesse em trazer estão vivendo um momento na competição que não permite qualquer tipo de acerto. O mercado ainda não abriu e tem muita coisa para acontecer. Temos um mapeamento daquelas posições que entendemos que há a necessidade de contratação, que é importante ressaltar, precisa seguir os padrões financeiros do clube. Não adianta achar que nós vamos trazer um nome bombástico com custo alto porque esse não é o perfil da Ponte Preta”

“Dentro do nosso planejamento este ano fizemos 12 contratações do Paulista para o Brasileiro e com 8 permanecendo. Isso dá um aproveitamento de 63 ou 64 %. Se você pegar em 2014 o índice de aproveitamento foi bem menor. Quando você contrata um jogador que já tem um lastro de Série A a probabilidade dele dar certo é muito maior do que dar errado. O problema é que a tendência de custo desse atleta é ser muito maior e isso foge do patamar financeiro da Ponte. Por isso precisamos tentar minimizar o erro e ter mais critério nas contratações”.

 

Anselmo:

“O Anselmo eu trabalhei com ele em 2012 no São Caetano. Ele é um excelente jogador que está fazendo um ano muito bom, mas ele tem mais dois anos de contrato com o Joinville. A mesma credibilidade que o Fernando Bob tem na Ponte Preta hoje com a diretoria, imprensa e torcida o Anselmo tem com o Joinville. Então não é fácil de conseguir trazer, mesmo que o time dele seja rebaixado. Para se ter uma ideia ele recebeu há pouco tempo uma proposta do Japão, então da mesma maneira que a Ponte Preta tem interesse outros clubes também têm. É claro que é um nome que se houvesse a possibilidade de trazer seria interessante”.

Dudu e Rayner:

“Com relação do Dudu é um situação ainda mais difícil. Ele tem contrato com o Figueirense, que só libera o jogador em caso de venda e o valor gira em torno de 3 ou 4 milhões. Isso não é viável, a Ponte Preta não tem condições de dar o aporte nesse sentido. É um jogador importantíssimo, que vem fazendo um grande campeonato, mas é difícil. Já o Rayner é um jogador de velocidade que temos monitorado e vem fazendo uma excelente Série B pelo Vitória. Ele é um jogador que depende de algumas situações de fora do Brasil, já que existem algumas coisas para ele de fora. Nesse primeiro momento não temos uma posição se tem condição de trazer ou não”.

Treinador:

“Em um primeiro momento vamos aguardar até o final do Campeonato Brasileiro. O Felipe está fazendo um trabalho muito bom com 75% de aproveitamento. É claro que nos analisamos o mercado e não vamos trazer um treinador simplesmente por trazer. Vamos terminar o ano, analisar o trabalho do Felipe e ver o que tem disponível no mercado”.

Premiação para vaga no G4 neste Brasileiro:

“Existe uma premiação que é um valor que já foi tratado lá atrás quando fizemos o jogo contra o Santos. Independente da questão financeira, o que está em jogo com a vaga na Libertadores é a oportunidade que nós vamos ter de marcar história na Ponte Preta. Eu tive uma reunião com os jogadores e disse que tem momentos na vida da gente que o dinheiro não compra. E isso é você poder olhar para o seu filho ou seu neto amanhã e dizer que você conseguiu fazer um trabalho histórico nesse clube conquistando algo inédito e isso é um consenso no grupo”.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS