Eduardo Baptista destaca força do elenco e preparação em briga pela vaga à próxima fase da Copa do Brasil

 

Foto: PontePress/ThiagoToledo

O técnico Eduardo Baptista está confiante em um bom jogo da sua equipe na noite desta quarta-feira (21). Para o comandante da Ponte, a equipe está motivada e pronta para enfrentar o Atlético Mineiro nessa partida de volta pela Copa do Brasil.

 

“Em termos de preparação e motivação não precisa fazer muita coisa. É um jogo por si só de suma importância, a prova é que a torcida compareceu no treino e vai estar presente na partida. O atleta gosta de estar vivendo um momento desse e cabe a nós só contermos a ansiedade para que descansem melhor, concentrem no que tem que ser feito, porque a parte emocional faz diferença. Tivemos pouco tempo para trabalhar, por conta do desgaste que foi em Chapecó, mas vamos chegar capazes de enfrenta um jogo desses. Passamos por momentos difíceis, momentos bons, jogos grandes e chegamos acostumados com essa situação. Espero que estejamos bem e possamos passar. Ficar entre os oito melhores em um campeonato tão forte com a Copa do Brasil faz com que a gente sonhe. O importante é focar para passar. Só vai ter próxima fase se classificar e é isso que passamos ao grupo”, analisa o treinador.

 

Mesmo com desfalques importantes, como Grolli, Wendel e Pottker, o técnico tem convicção da força do elenco. “O importante é que a Ponte vai estar muito forte, independentemente dos desfalques”, destaca Eduardo, que espera contar com o reforço vindo das arquibancadas.

 

“O trabalho é de dentro para fora. É o nosso desempenho que vai trazer o torcedor. Estamos atingindo esse objetivo que estamos colocando, a ponto de eles virem ao treino nos prestigiar. É muito bom ser abraçado pela torcida, que é exigente. Se eles estão aqui é porque estamos mostrando algo de valor. É mais um fator importante. Acredito que teremos a presença da torcida no jogo e precisamos demais desse apoio. É uma partida difícil e contamos com eles para passarmos de fase. Seria fantástico. Estamos enfrentando um dos melhores adversário da Copa do Brasil esse ano e ter a condição de poder eliminá-lo nos credencia muito forte para a próxima fase”, diz o treinador, que ressalta a qualidade do adversário, mas valoriza o trabalho desenvolvido na Macaca.

 

“Não temos muito o que se apegar em declaração. Hoje o nosso campeonato mais importante é a Copa do Brasil. Na quinta já vai ser o Campeonato Brasileiro. O Atlético tem um elenco em que ele troca um time inteiro e entra outro às vezes com mais qualidade. Para eles é fácil priorizar ou não. Eles tem um investimento muito alto. Mas nós temos um grupo forte que se formou. Chegamos nesse ponto pelo trabalho que o pessoal da preparação física tem feito. A Ponte Preta hoje é um dos poucos times que tem praticamente seu departamento médico vazio. Suporta jogos pesados, as cargas em alta intensidade e aqui a prioridade nesta quarta é a Copa do Brasil”, reforça.

 

Mesmo sabendo que a Ponte tem a vantagem do empate por 0 a 0, Eduardo Baptista não se apega a isso. “É difícil chegar em um momento desses contra o Atlético e querer manter um resultado. Nós estamos tendo um mando de campo muito forte e a Ponte Preta tem que ter seus cuidados, o Atlético tem valores individuais que finalizam jogadas, fazem gols e temos que estar muito atentos na marcação. Mas a Ponte aqui em Campinas não pode deixar de jogar. Vamos procurar deixar o Atlético longe do nosso gol, porque a melhor maneira de marcar o Atlético é deixando eles longe do nosso gol. Do contrário mais perigo vão trazer para nós, porque é uma equipe que qualquer jogador pode decidir. Tem atletas que tem o drible e aí não tem sistema que marque. Vamos marcá-los para que possamos fazer nosso jogo e temos que entrar buscando o resultado”, explica Eduardo, que se mostra um profissional vitorioso na competição.

 

“Fui campeão em 2008 com o Sport, vice-campeão em 2003 com o Flamengo, ano passado por muito pouco não cheguei na final com o Fluminense, pois fomos eliminados nos pênaltis. Então é uma competição que tive momentos bons. Não pode deixar de dar o carrinho, porque depois não tem outro jogo. Tem que dar tudo que você tem. Ter atenção, jogar e tem que ter algo a mais. É o coração na ponta da chuteira e temos que querer mais essa classificação do que o Atlético”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS