Ponte treina na tarde desta quarta (12) e Cláudio Grilo, responsável pela análise de desempenho da Macaca e dos seus adversários, conta um pouco sobre o trabalho que o próprio Guto Ferreira considera fundamental para conquista dos resultados do time na temporada

Crédito obigatório para reprodução das fotos:
PontePress/DJotaCarvalho

Ele não aparece muito em veículos de comunicação, dá poucas entrevistas e em geral fica quietinho no canto da mesa, sempre acompanhado do fiel laptop, mas faz um trabalho fundamental fora das quatro linhas para qualquer clube de futebol na atualidade. Cláudio Grilo, analista de desempenho da Ponte Preta – que segue focada no título e treina na tarde desta quarta-feira no CT – é considerado um dos homens fundamentais para a boa campanha alvinegra pelo próprio Guto Ferreira, que um dia já exerceu a mesma função no Internacional.

 

Grilo, que já mostrou seu trabalho em clubes como Santos, Palmeiras, Fluminense e Internacional, já tem no currículo títulos de Campeão Mundial, Campeão da Libertadores, Paulistas, Brasileiros, de Recopa Sulamericana, e muitos outros. Agora, quer ganhar mais um, com a Macaca que já mora em seu coração. Confira abaixo os principais trechos da entrevista com o profissional que sabe tudo dos jogos da Ponte e de todos os oponentes.

 

O que representa para você, que já conquistou por diversos clubes do Brasil, esse acesso com a Ponte?

Sem dúvida é muito importante para mim e, com certeza, para todos os profissionais envolvidos. Só quem disputa a série B, sem as "pompas" de time grande, sabe o quanto é difícil subir. Montar o elenco, administrar problemas, manter o foco. São fatores que só com extrema concentração conseguimos manter até o final. Para mim, a "última" conquista é sempre a mais importante e ter conhecidos profissionais tão competentes e trabalhadores como conheci aqui na Ponte vai ficar marcado para sempre…Me orgulho muito em fazer parte desta equipe.

 Como foi o trabalho desenvolvido com a comissão técnica nessa temporada?

O trabalho com uma comissão, para mim, já não é tão complicado. São muitos anos fazendo o que faço e, ainda, com muito amor e dedicação. Adoro assistir jogos, conhecer e descobrir habilidades em atletas que não aparecem muito. Acompanho todos os times envolvidos na competição que estou trabalhando e tento "filtrar" o máximo de informações para a minha Comissão. Não posso deixar de exaltar os outros treinadores e Comissões que passaram por aqui neste ano… todos tem o seu percentual nesta conquista. De uma maneira ou de outra sempre crescemos e aprendemos com as pessoas. É o que procuro fazer com as Comissões que trabalho. Respeitar os profissionais, tentar aprender ao máximo com eles e, ainda por cima, me dedicar muito ao trabalho.

Como é sua relação com Guto Ferreira?

Especificamente com o Guto e seus auxiliares, me surpreendi muito, e para melhor. Tinha uma impressão de que todos eles eram muito trabalhadores… mas descobri que não é só isso: além de trabalhadores, são honestos, dedicados e profissionais. Já tive uma breve passagem com o Guto por trabalhar em uma mesma equipe com ele, na base do São Paulo. Todos sempre acharam naquela época que ele iria ser grande profissional e vencedor… Grande profissional, já provou que é. E vencedor, está provando também.

 Quais, na sua opinião, foram os diferenciais da equipe nesse processo?

Sem medo de errar, o maior diferencial se chama Gustavo Bueno. Conhece o Futebol, não tem vaidade e é muito trabalhador. Administrou problemas com a competência de quem tem anos de experiência. Em nenhum momento quis ser autoritário ou "estrela" sem deixar o profissionalismo à frente. Sei que todos temos muito o que melhorar, mas a maneira como conduziu os problemas e as dificuldades desta diretoria me impressionaram muito. A escolha do elenco, da Comissão e a relação de profunda transparência entre Diretoria e Elenco fizeram a Ponte continuar a ser Grande e Respeitada no cenário do Futebol Brasileiro.

Como você vê a Ponte Preta no cenário nacional?

Sempre que estive do outro lado e tive que enfrentar a Ponte, vi vários treinadores se preocuparem e muito com a Ponte Preta. Tenho até a impressão de que os profissionais da Ponte Preta não tem a exata noção de quanto a Instituição Ponte Preta é respeitada no mundo do Futebol. Trabalhei em equipes consideradas grandes, como o Fluminense, por exemplo, e lá não temos metade da estrutura física que a Ponte tem. Sem falar dos profissionais: Norberto, Caio, Lucas, Rodrigo e todos os fisioterapeutas e também o pessoal da assessoria de imprensa. A condução dos problemas e as divulgações das conquistas são sempre tratadas da mesma maneira, sem "estrelismo" e com muito profissionalismo. Não quero esquecer ninguém, como o Marcão Rossato, o Sr. Robertinho e tantos outros. Tudo ao seu tempo, tenho certeza que, daqui a poucos anos, a Ponte vai ser muito maior ainda. Respeito toda a diretoria não por imposição, mas sim porque me conquistaram este respeito com atitudes… A Ponte, para mim, é sim time grande: tem torcida, patrimônio, cidade maravilhosa, estádio, centro de treinamento e profissionais de primeira grandeza e atitudes.

Como você vê a possibilidade de conquistar mais um título na sua carreira, que já tem tantos?

Com relação a possibilidade do título, é claro que me envaidece muito. Mas o sucesso pode trazer outras consequências ou dissabores. Trabalho todo dia, tentando fazer o meu melhor e crescer profissionalmente, porém o meu respeito é para comigo e minha esposa que sempre esteve ao meu lado nos momentos difíceis também… pois as pessoas esquecem que para conquistar vários títulos e poder ser respeitado profissionalmente, é preciso aprender e crescer com as derrotas. Como sempre digo: não é porque ganho ou conquisto que tudo está certo, porém também não é porque perco que tudo está errado.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS