Brigatti enaltece grupo por partida vibrante contra o Corinthians e destaca: equipe está com a cara da Ponte e vai dar alegrias à torcida

Foto:PontePress/FábioLeoni

Mesmo a Ponte não ter saído com a vitória, ninguém mais do que o técnico interino João Brigatti vibrou durante o empate por 1 a 1 com o Corinthians, no Moisés Lucarelli. Mostrando toda sua energia o longo dos 90 minutos, o comandante explica a emoção que sente ao poder contribuir com o clube que ama.

“Eu não tenho vergonha de mostra, eu sou assim. Em 1977 eu estive no Morumbi, junto do meu pai, naqueles três jogos das finais contra o Corinthians. Desde aquela época a emoção aflorava na vida da gente. E eu quando comecei a jogar na Ponte Preta, sempre mantive esse tipo de comportamento. Fui para a função de preparador de goleiros e mantive essa conduta. E sempre mantive isso na minha vida e eu não prejudico ninguém sendo assim. Eu simplesmente extravaso e mostro o que sinto. E eu acho que é esse o caminho”, revela.

 Brigatti, que acrescenta que a Ponte estava precisando resgatar a alegria com a torcida e ele pensa neste sentido “É uma torcida sofrida, do povão e pelas regras do país sofre demais. Trabalha-se a semana toda e quando vem para o campo da Ponte Preta quer um pouco de emoção. Quer extravasar junto do seu clube. É isso que passei para os jogadores e aos poucos eles estão assimilando. Esse grupo está de parabéns. Estou emocionado e muito feliz”, ressalta.

Mas engana-se quem pensa que Brigatti é só um motivador. O técnico estudou muito o adversário para o confronto deste domingo. “O jogo foi um espelho do que conseguimos realizar no treinamento. Foi exatamente isso. Eu tinha assistido seis jogos do Corinthians. Eu não aguentava mais ver Corinthians na frente. Mas, todo tipo de treinamento que fizemos, foi realizado pelos jogadores. Eles estão de parabéns. Enalteço a postura deles dentro de campo. Conseguimos neutralizar todas as jogadas do Corinthians que nós tínhamos visto nos vídeos”, destaca o treinador, que valorizou ainda o empenho dos atletas.

“Foi por pouco, podem ter certeza, que não saiu a vitória, mas esse grupo é vitorioso. Começa a partir do jogo contra o Ituano, uma nova cara e uma nova vida para a Ponte Preta. Se não conseguimos vencer o Corinthians, que é uma equipe muito qualificada, a torcida aplaudiu todos os nossos jogadores. Isso que é importante. Entrarmos em campo e mostrarmos a cara da Ponte Preta. Jogadores saíram extenuados de dentro de campo e saíram enaltecidos pela torcida”, comemora Brigatti, que mostra confiança no trabalho.

 “Vimos um grupo diferente, animado. Sábado temos o Novorizontino aqui e vamos passar por cima deles. Já peço para a torcida vir ao campo, nos prestigiar, porque esse time aqui vai dar muitas alegrias à torcida”, afirma o técnico, que projeta um confronto intenso na próxima rodada.

“Eu jamais fui pessimista na minha vida. Nós temos a semana toda para trabalhar e a partida contra o Novorizontino é extremamente importante. Uma equipe que já ganhou sob o comando do Silas e vem aqui com tudo. Nós temos que passar isso para o grupo, caso continue à frente da Ponte Preta. E mesmo que não continue, na minha função de auxiliar técnico eu tenho que passar isso aos jogadores. A cobrança vai existir sim, a cada dia de treinamento e a cada jogo que entramos em campo. Tem que ter essa cara que tivemos contra o Ituano e contra o Corinthians. Não vai ser um time moroso, mas sim muito guerreiro dentro de campo”, ressalta.

Brigatti fez alguns destaques individuais, como a presença do Ravanelli no meio de campo, além da volta de Fernando Bob e da opção de Matheus Cassini para a função de meia. Mas as atenções se voltaram mais para o atacante Lucca, autor do gol da Alvinegra. “O Lucca é um excelente jogador. Um cara que está totalmente voltado para o grupo da Ponte e é o nosso artilheiro. É um jogador de suma importância. Esperamos que ele não tenha nada de mais grave e esteja recuperado para sábado”, avalia Brigatti, que recorda o fato do jogador ter saído se queixando de dores musculares.

Um outro destaque individual por parte do Brigatti, foi para Leandro Zago, treinador do SUB 20 da Macaca, mas que tem feito um trabalho importante junto aos profissionais. “O Leandro Zago em me ajudado muito. Uma pessoa extremamente inteligente, estudioso, formado pela Unicamp, técnico da categoria SUB 20 da Ponte e que tem me passado situações muito boas e importantes. Está fazendo um trabalho muito bom conosco e infelizmente não pode ficar no banco, porque eu não tenho um contrato de técnico assinado. Eu sou auxiliar técnico e ele tem que ficar de fora. Mas tem nos ajudado muito. Conhece os garotos da base é importante nós darmos esse apoio aos meninos. Ao longo desse período de trabalho aqui na Ponte, jamais iremos virar a cara para a categoria de base”, pontua.

Questionado sobre assumir ou não o posto de treinador do clube, Brigatti se põe à disposição para qualquer função. “Eu sou funcionário do clube. Se eu precisar jogar, você pode ter certeza que eu faço uns três ou quatro dias de regime e entro para jogar também. O futuro a Deus pertence”, afirma o técnico, que conta como procura ajudar seus atletas.

 “Eu não consigo ficar parado. Mas sempre enaltecendo e ajudando, dando uma palavra de apoio. O jogador não entra em campo para errar. Mas se ele erra você crucifica o atleta? Não! Tem que dar o apoio para ele, porque na próxima vai acertar. E acho que esse é o caminho certo”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS