Autor de gol diante do Santos, Borges comemora postura da equipe e quer chegar aos 100 gols no Brasileirão

 

Crédito obrigatório para reprodução da imagem:

PontePress/VictorHafner

O terceiro gol da Macaca diante do Santos no último domingo (13) foi marcado pelo atacante Borges. Após ficar afastado da equipe por dois jogos devido a dores no joelho, o camisa 9 voltou, ajudou o time a vencer e elogia a postura pontepretana em campo.

“O que não é normal é a Ponte Preta jogar como jogamos diante do Vasco. A gente se cobrou bastante internamente, todo mundo sabe o que pode fazer dentro de campo, e isso ficou provado por tudo o que nos mostramos diante de uma equipe que estava há muito tempo sem perder. Sabíamos que o que não poderia faltar era vontade e pegada e tínhamos dar o nosso melhor. Foi o que aconteceu e essa maneira de nos comportar é a nossa maior motivação para seguir no campeonato”, diz Borges que está cada vez mais próximo de atingir uma importante marca pessoal.

“Essa é uma das minhas motivações. Com o gol de domingo cheguei a 98 e agora faltam apenas dois gols para completar os 100 no Campeonato Brasileiro. É uma motivação a mais para mim e espero chegar nessa marca o mais rápido possível e continuar ajudando a Ponte.”

Outro ponto que mereceu os elogios do centroavante foi a arbitragem. “Eu até fui falar com o árbitro e os parabenizei. Quando eles erram nós criticamos bastante, mas a arbitragem desse jogo está de parabéns por tudo o que fizeram e temos que reconhecer quando o ser humano quando eles acertam”, pontua Borges.

Por outro lado, o atacante critica o horário de 11 horas para jogos e questiona a diferença de tratamento entre as equipes da competição. “Com o clima que estava no domingo não era ruim, mas isso muda toda a programação do atleta. É difícil você acordar às 8 horas da manhã e comer macarrão e arroz. Além disso, temos que ver que a Ponte Preta e o Joinville vão jogar sete jogos às 11 horas e o Corinthians e o Flamengo têm só dois jogos nesse horário. A única coisa que questionamos é a igualdade. Por que todas as equipes não jogam a mesma quantidade de jogos em determinado horário? Eu já estive do outro lado e vemos que algumas coisas são bem mais fáceis e maleáveis do que para outras equipes”, finaliza Borges.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS