Eduardo Baptista ressalta garra na vitória da Macaca e destaca presença da torcida como 12º jogador

 

Foto:POntePress/FábioLeoni

O técnico Eduardo Baptista avalia como positivo o desempenho da Macaca a Ponte na partida diante do Vitória/BA e ressalta a garra apresentada pelo time foi importante para a conquista dos três pontos diante dos baianos.

“O principal foi o espírito que a Ponte Preta apresentou. Sabia das dificuldades do campo, tentou por a bola no chão em alguns momentos e quando não conseguiu fez a bola longa, de segurança, e aí se destacaram algumas individualidades. O Clayson fez uma boa partida, o Rhayner também, mesmo os dois bem abaixo da  condição física ideal. Vejo uma partida do Wendel muito coesa. Ele tinha a função de marcar o lado do Vitoria que ele estava, que era muito intenso”, diz.

O treinador também vê méritos nos homens de trás e no conjunto como um todo. “Nossa linha de zaga, que rebateu, fez o jogo aéreo e saiu com a cabeça inchada. O conjunto foi bom, em um jogo que precisávamos da vitória, contra um time que não desistiu do jogo, aguerrido. E domingo vai ser igual. Para esse final de campeonato é o espírito e foi isso que pedíamos. Faltou contra o Cruzeiro, saímos contentes nesse último jogo, mas temos que repetir porque os jogos daqui para frente são todos desse nível”, afirma.

Baptista faz ainda grandes elogios ao seu décimo-segundo jogador: a torcida pontepretana deu show de bola nas arquibancadas.  “Na hora do jogo choveu e isso foi uma preocupação nossa. Sabíamos da arrecadação dos ingressos e o torcedor veio mesmo em um tempo ruim. Contamos com ele, pois o Campeonato Brasileiro é difícil, mas com o torcedor fica mais suave. Eles apoiaram e entendemos também que foi uma prova que a situação do país é complicada. Quando se troca pet por ingresso traz um outro público, muitos que às vezes querem vir mais e não podem pela situação do país”, pontua.

E complementa, falando mais sobre o programa Futebol Sustentável, que permite a troca de duas garrafas PET por um ingresso. “Quando se abre para uma situação dessas coloca 9 mil e se não estivesse chovendo batíamos os 10 mil, não tenho dúvida disso. Mas a torcida veio em peso, jogou com o time, o campo ruim e não é o estilo de jogo da Ponte, que é um time leve, mas a torcida foi fundamental e nessa noite foi o 12º jogador”, reforça.

Eduardo também ressalva que o momento abaixo vivido pela Ponte nas últimas rodadas é normal, por conta das baixas que o elenco teve ao longo das últimas rodadas. “Sabíamos que os adversários até o jogo do Cruzeiro eram extremamente difíceis. E um time como a Ponte Preta, que perde seus principais atacantes –  como Rhayner,  Clayson e o Nino Paraíba, que vinha bem – vais oscilar. As pessoas criticam o tempo todo ou tentam achar algo onde não tem, como se o grupo estivesse rachado. É um elenco enxuto e a ausência de peças importantes fazdiferença”, explica.

Ele completa: “Sabíamos que no retorno deles a resposta iria ser boa, como foi nessa noite. Agora é dar continuidade. Temos um jogo difícil contra o Santa Cruz. O placar dos jogos do Santa não diz o que eles vem jogando. Temos que recuperar nossos atletas para mais um jogo de briga no domingo.”

O comandante afirma ainda que é importante manter a humildade e a cabeça no lugar. “Nós somos pés no chão. Sabemos como é o futebol brasileiro. Se perde é terra arrasada e se ganha tudo muda após a vitória. A verdade é que foi uma boa partida, tivemos alguns erros e sabemos onde podemos chegar, nossos limites e qualidades e temos que trabalhar e buscar o melhor. Uma vitória com satisfação, mas nada para comemorar. Temos um longo caminho pela frente”, acredita.

Ele completa: “A Ponte Preta tem um orçamento muito pequeno. A folha de pagamento do clube bate R$1.700,000. Se pegarmos os times que estão acima de nós,  é o valor de dois ou três jogadores. É muito difícil trabalhar assim. Não podemos errar nas contratações, todos os jogadores tem que estarem em um bom momento, não pode perder atletas por lesão. Se joga numa linha muito tênue e a Ponte conseguiu fazer um Campeonato Brasileiro muito coeso, com jogadores comprometidos e agora estamos chegando próximo da nossa meta. E ter em casa a chance de bater essa meta, e definir a manutenção da Ponte para o ano que vem é formidável e com um orçamento desses”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS