Kleina reitera erro de arbitragem crucial contra a Ponte, mas ressalta foco no próximo jogo: “Pegaremos o líder e precisamos ser consistentes lá para trazer um resultado importante”

Foto:PontePress/ÁlvaroJr

A Ponte Preta se reapresenta nesta quinta-feira (8), de olho no confronto contra o Náutico na noite de segunda-feira. O técnico Gilson Kleina lamenta o erro crucial de a arbitragem no empate em 0 a 0 com o Avaí, que não anotou um pênalti legítimo para a Ponte Preta, mas ressalta que o foco agora é total em fazer uma boa partida na décima-primeira rodada.

“Vamos tentar ver uma forma para ver de que maneira podemos criar mais. A gente sabe que pega o líder fora de casa. Eles estão jogando com uma linha alta, agressivos o tempo todo. Então precisamos ser consistentes lá para trazer um resultado importante”,enfatiza o treinador alvinegro.

Kleina lastima o fato de a Macaca não ter conquistado os três pontos em casa na noite de terça. “Como empatamos fora, se ganhássemos em casa seriam quatro pontos em seis, um bom resultado. Mas ontem deixamos de ganhar dois pontos por uma situação  externa. A Ponte, a meu ver, está sendo prejudicada pela arbitragem desde inicio da Série B. Tivemos problemas com Brusque, Operário teve uma bola na mão, mas não deu pênalti, confusão na substituição do Sampaio Corrêa e ontem um pênalti claro não marcado. São erros que tiraram pontos importantes da gente. Não é choro, temos que constatar isso”, diz.

Ele acrescenta, analisando um pouco mais a partida: “Foi um jogo muito igual, de competitividade, contato, imposição física. Os dois lados não conseguiram fazer a saída de bola. Era uma bola longa para fazer a aproximação dos jogadores do meio. Quando entrava nos beiradas, as coisas aconteciam. Além do pênalti não anotado, tivemos duas finalizações do Richard, o gol anulado do Rodrigão. Não acho que foi justo, entendo que poderíamos ter saído com o resultado.”

O treinador conclui a análise falando sobre a etapa complementar. “Nós tivemos uma transição forte no segundo tempo. Faltou nosso poder de decisão. É isso que está faltando. Tivemos a cabeçada do Sanches, a transição com o Thalles, uma jogada com o Kevin. As coisas aconteceram. Tem jogo que a gente não consegue criar muito, mas nas chances que criamos precisamos oportunizar, para melhorar nossa campanha”, diz.

Em relação a como melhorar essa produção ofensiva do time, o treinador opina sobre o que fazer. “Eu entendo que é trabalho, estamos tendo pouco tempo. Quando iniciamos aqui, tinha a preocupação de melhorar a linha de marcação, preencher a área. Melhoramos também o posicionamento na bola parada. A gente ainda não está dando ênfase à parte ofensiva como precisa. Mas é definir as situações. Vamos trabalhar, buscar melhorar a criatividade e ver quais peças a gente pode encaixar para melhorar a produção ofensiva”, conclui.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS