Por 2 a 1, Ponte é derrotada pelo Botafogo, fica na sétima posição e vai buscar reabilitação contra o Avaí na sexta (11)

Foto: José Bazzo/BotafogoFC

Com um desfalque de última hora (o atacante Bruno Rodrigues, que teve sintomas gripais e foi afastado seguindo os protocolos em relação ao Covid19), a Ponte Preta saiu atrás em Ribeirão Preto, buscou o empate com gol de João Veras, mas acabou tomando o segundo gol no finalzinho da etapa final. Com o placar, a Macaca fica na sétima posição, com 40 pontos, e aguarda a conclusão da rodada para saber a quantos pontos ficará do G4 – no momento, a distância é de três pontos.

“Fico feliz pelo gol, mas trocaria pela nossa vitória. Não temos tempo para lamentar, temos jogo em casa na sexta e vamos em busca dos três pontos, pois nosso objetivo continua o mesmo, queremos o acesso”, diz Veras. A Ponte volta a campo às 19h15 desta sexta-feira (11), em busca de mais uma vitória no Majestoso, contra o Avaí.

O jogo

Tentando a todo custo reverter a sequência de oito jogos sem vencer que o mantém na zona de rebaixamento, o Botafogo começou indo pra cima da Macaca e, aos dois, Rafinha bateu falta com perigo no canto esquerdo, mas Ygor Vinhas fez defesa segura. Aos três, por muito pouco Guilherme Pato não tomou a bola do goleiro adversário para abrir o placar.

Aois seis, Apodi foi parado em lance de ataque com falta, lance que deu amarelo ao atleta adversário. Aos sete, jogada de velocidade entre Pato e Lazaroni, que cruzou para a área, mas Apodi não conseguiu concluir. Aos nove, em cobrança de uma falta questionável, o Botafogo pegou o rebote e abriu o placar. 1 a 0.

A Ponte foi para cima e quase empatou aos 11, em bela bola de Camilo pela esquerda, Guilherme Lazaroni cruza para Dawhan cabecear. O juiz, porém, marcou uma falta de ataque. Aos 17, boa jogada de Leo Pereira, que acabou em escanteio pra Macaca.  Dois minutos depois, em bola levantada por Lazaroni, Apodi cabeceou e acertou o travessão.

Aos  20, Lazaroni passou para Pato, que levantou para Camilo cabecear, mas a bola acabou saindo em lateral. Na sequência,  Apodi roubou a bola e chutou de perna esquerda. A defesa adversária desviou para escanteio. A Macaca sufocava o adversário, em especial pela esquerda, tentando chegar ao empate.

Aos 29, Pato teve chance e mandou uma bomba, mas a bola foi bloqueada pela defesa. Aos 33, Lazaroni passou para João Veras, que acabou desarmado e pediu falta, mas a arbitragem não marcou. Aos 34, quase saiu o empate. Lazaroni cobrou falta, Dawhan deu uma casquinha de cabeça e Ruan Renato por pouco não colocou pra dentro.

No minuto seguinte, Leo Pereira fez lancerápido para Camilo, que passou para Apodi, mas o juiz enxergou um impedimento. Aos 39, bom lance de Pato e Camilo, que fizeram a bola chegar até Dawhan, mas a zaga adversária cortou. No último minuto, aos 50, Pato chegou em velocidade e passou para Apodi, que não conseguiu concluir.

No segundo tempo, aos cinco Luís Oyama – que acabara de entrar no lugar de Dawhan –  arriscou de longe e assustou o goleiro adversário, mandando pertinho do gol. Aos dez, defesa tranquila de Ygor em cabeceio do adversário.

Assim como no primeiro tempo, a Ponte continuava com mais posse de bola e explorando as laterais, principalmente com Apodi. Aos 17, Moisés foi derrubado e, na cobrança de falta, Camilo levantou e Moisés mandou rente à trave. O gol já estava mais que maduro e, aos 19, ele saiu: Apodi recebeu a bola em excelente lançamento de Neto Moura e cruzou com perfeição na área. João Veras não perdoou e colocou para dentro, de cabeça, marcando o primeiro dele como profissional. 1 a 1.

Aos 22, quase veio a virada, com o atacante Moisés, que mandou um petardo de longa distância. A bola passou raspandondo a trave. Aos 28, nova chance perigosa da Macaca, com cabeceada perigosa de Wellington Carvalho. A Macaca seguia pressionando e, no lance seguinte, Camilo teve bom momento, mas a bola acabou saindo para escanteio e, na cobrança, o arqueiro oponente defendeu. Aos 31, susto da Macaca, com bomba mandada pelo adversário na trave de Ygor Vinhas.

Aos 37, Luan Dias saiu bem com a bola, mas acabou sendo desarmado pela zaga adversária. Aos 42, porém, os donos da casa ampliaram, após escanteio, em cabeceio perfeito do adversário, sem chances para Ygor Vinhas. Dois minutos depois, Moisés tentou de perna direita, mas o goleiro defendeu. Aos 47, boa chance do estreante Pedrinho, barrada pelo oponente. No minuto seguinte, o juiz apitou o final da partida.

Ficha do jogo

Ponte Preta: Ygor Vinhas; Léo Pereira (Moisés), Wellington Carvalho, Ruan Renato e Lazaroni; Dawhan (Oyama), Neto Moura (Pedrinho) e Camilo (Matheus Peixoto); Apodi, Pato (Luan Dias) e João Veras. Técnico: Marcelo Oliveira.

Botafogo –SP:  Darley; Valdemir, Robson, Walisson Maia e Guilherme Romão; Raniele, Jonata Machado e Matheus Anjos (Bady); Rafinha (Ronald), Wellington Tanque (Judivan) e Wesley Pionteck (Cássio Ortega). Técnico: Moacir Júnior.

Gols: Guilherme Romão, aos nove do primeiro tempo; João Veras aos 19, e Wellington Tanque aos 42 do segundo

Arbitragem: Rodrigo Carvalhaes de Miranda apitou, com Diogo Carvalho Silva e Andrea Izaura Maffra Marcelino de Sá foram os auxiliares. Quarto árbitro: Douglas Marques das Flores

Cartões amarelos: Valdemir, Robson (Botafogo); Ruan Renato (Ponte)

Partida disputada pela 27ª rodada do Brasileiro da série B, no estádio Santa Cruz, sem público (nem renda) em virtude da pandemia

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS