Sexta-feira 13: com gol impedido do adversário, Ponte fica no empate com o Brasil e agora quer três pontos contra o Vitória, na tarde da próxima sexta (20)

Foto:PontePress/ÁlvaroJr

Se a sexta-feira 13 é dia de azar, nesta tarde ele com certeza foi da Ponte Preta. A Macaca jogou melhor, teve um volume maior de passes, chutes a gol. Mas tomou um gol impedido, não conseguiu marcar um pênalti, teve gols feitos defendidos por milagres do goleiro adversário e o gol da virada de Apodi não-dado em virtude de impedimento idêntico ao não-anotado para o Brasil – a arbitragem ruim e sem critério foi um dos destaques negativos do jogo.

Com isso tudo, o placar final foi de 1 a 1, o mesmo do primeiro confronto dos times no turno inicial da competição.  “Tivemos mais posse de bola e finalização, mas não conseguimos concretizar para ter a vitória. Agora é seguir trabalhando e buscar fora”, diz o meia Camilo, um dos destaques positivos da tarde.

A Ponte Preta dorme na quinta posição, com 32 pontos (por enquanto, a dois do G4), e aguarda os demais jogos do fim de semana usão da rodada para saber em que posição ficará nesta 21ª rodada.  O time de Marcelo Oliveira volta a campo na próxima sexta (20), às 16h30, contra o Vitória na casa do adversário.

O jogo

Jogando com dois volantes, a Ponte começou o jogo tentando achar espaço na retranca do adversário, que aparentemente apostava na estratégia de jogar por uma bola. Nos primeiros minutos, a Macaca teve muita troca de bola e apertava em especial com o meia Camilo. Aos sete, ele conseguiu um belo lance e mandou a bola para Bruno Rodrigues, na cara do gol, mas a arbitragem marcou impedimento.

Aos 12, mais uma boa jogada do meia, que quase abriu o placar: após receber a bola em frente a área, Camilo mandou uma bomba para o gol, mas o arqueiro adversário fez grande defesa, mandando pra escanteio. Na sequência, Pato recebeu passe de Barreto e cruzou, mas a zaga do oponente cortou o lançamento.

Aos 16, Camilo acionou Bruno Rodrigues, que invadiu a área e chutou firme, mas o goleiro oponente espalmou. Orobó ficou com a sobra, mas não conseguiu concluir. Quatro minutos depois, Apodi cruzou na cabeça de Orobó, mas a  bola acabou subindo demais e saiu por cima do gol.

Aos 24, saiu o gol o adversário, claramente irregular. Após cobrança de falta, Sousa, que estava em posição de impedimento, cabeceou sem chances de defesa para Ygor Vinhas. A arbitragem, porém, validou o gol equivocado.

Aos 30, Bruno Rodrigues cruzou para Camilo, que desviou para Orobó, mas a bola do atacante  não entrou. Pouco depois, Camilo sofreu falta próxima à grande área. Ele mesmo cobrou e a bola explodiu na barreira. Aos 33, Orobó se contundiu e deu lugar a Matheus Peixoto. Onze minutos depois, a Macaca chegou ao gol.

Em jogada pela linha de fundo de Camilo tocou para Lazaroni, que cruzou na cabeça de Apodi. O lateral mandou para o fundo das redes e deixou tudo igual, aos 44. E no minuto seguinte, quase Matheus Peixoto virou. O atacante recebeu a bola em frente à área, dominou, passou por um e chutou um petardo. O camisa 1 adversário, porém, se esticou todo e conseguiu evitar o gol. Aos 48, o juiz apitou o fim do primeiro tempo.

Para o segundo tempo, Oliveira voltou com Luan Dias no lugar de Pato, e o recém-chegado já foi para cima no minuto inicial, sendo barrado pela defesa. Pouco depois, Bruno Rodrigues passou para Matheus Peixoto, que chutou forte contra o gol oponente, mas a bola saiu pela linha de fundo.

Aos nove, Luan Dias teve boa chance frente ao gol e mandou ver contra o defensor adversário. O juiz viu mão do atleta oponente na bola e marcou pênalti a favor da Ponte. Na cobrança, porém, João Paulo não conseguiu balançar as redes.

Aos 15, lance perigoso do adversário, que acabou em bela defesa de Ygor Vinhas. Na sequência, Bruno Rodrigues chutou contra o gol adversário, a bola desviou em Matheus Peixoto e o arqueiro do Brasil defendeu. Aos 23, Luan Dias recebeu de fora da grande área, ganhou espaço e mandou uma bomba, que passou pertinho do gol adversário, mas acabou saindo.

Aos 25, Peixoto recebeu de Camilo e chutou, mas mai uma vez o goleiro oponente defendeu.  A blitz da Macaca continuava e, aos 28, Lazaroni cobrou escanteio e Matheus Peixoto mandou de cabeça para uma defesa quase impossível do camisa 1 adversário. Aos 33, Vinícius Zanocelo  – que entrara no lugar de João Paulo – fez um cruzamento em curva e não marcou graças a nova defesa do arqueiro.

Aos 38, após jogada ensaiada, mais uma boa chance da Macaca: Lazaroni bateu e quase mandou para dentro do gol do Brasil de Pelotas. Aos 42, Apodi recebeu dentro da área e mandou para o fundo das redes. Ao contrário do gol do time do Sul, porém, desta vez o juiz enxergou impedimento no lance e deixou de validar o gol do lateral alvinegro. O apito final veio aos 50, sem que ninguém mais mexesse no placar.

Ficha do jogo

Ponte Preta: Ygor Vinhas; Apodi, Wellington Carvalho, Ruan Renato e Guilherme Lazaroni (Yuri); Barreto, Camilo (Wanderley) e João Paulo (Zanocelo); Guilherme Pato (Luan Dias), Tiago Orobó (Matheus Peixoto) e Bruno Rodrigues. Técnico: Marcelo Oliveira.

Brasil de Pelotas: Rafael Martins;  Felipe Albuquerque, Nuno, Héverton e Alex Ruan; Sousa (Gustavo Cazonatti), Bruno Matias e Matheus Oliveira (Gegê);  Bruno José, Dellatorre (Bruno Santos) e, Danilo Gomes (Jarro Pedroso). Técnico: Cláudio Tencati.

Gols: Sousa, aos 24, e Apodi, aos 44 (ambos no primeiro tempo)

Arbitragem: Wagner Reway apitou, com assistência de Oberto da Silva Santos e Kildenn Tadeu Morais de Lucena. Quarto árbitro: Pietro Dimitrof Stefanelli.

Cartões amarelos: João Paulo (Ponte), Sousa e Nuno (Brasil)

Partida válida pela 21ª rodada da série B, realizada no Majestoso sem público (nem renda), em virtude da pandemia

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS