Meninas da Macaca enfrentam o São José neste domingo (6) em busca da primeira vitória no Brasileiro da série A

Foto:PontePress/LuizGuilhermeMartins

O time de futebol feminino da Ponte Preta entra em campo neste domingo (6) pela segunda vez desde que ocorreu a retomada do Brasileiro após o período de suspensão das competições por causa da pandemia. Assim como o Audax e o Vitória, as Meninas da Macaca ainda não pontuaram nos seis jogos da série A – outros cinco foram realizados antes da pausa – e vão em busca da primeira vitória contra o São José, em partida marcada para às 15 horas no Majestoso (sem público, em virtude do coronavírus).

“Nossa equipe é formada por meninas muito dedicadas, competitivas, mas ainda é uma equipe bem nova e inexperiente na série A, em especial diante de outros times que têm investimentos altos”, diz o técnico Cláudio Lopes, que assumiu o comando após reformulação realizada pela diretoria – o time e comissão técnica haviam sido montados pela gestão anterior a atual. Com a competição praticamente na metade (a rodada do final de semana é a sétima de um total de 15), a expectativa de Lopes é que o time evolua.

“Apesar de a competição estar no meio,estamos em um início de trabalho, apenas dez dias. As dificuldades são bem grandes, mas elas estão ganhando experiência, amadurecendo, evoluindo. Não é da noite para o dia, mas temos meninas com muito potencial. É o caso da Vitória, que foi convocada agora para a Seleção Brasileira SUB20 visando às finais da Sulamericana: é uma excelente goleira, de muita, coragem, personalidade dedicação. Vejo qualidade nela e em várias outras garotas do nosso time”, diz.

Antes de assumir a equipe, Lopes era um dos responsáveis pela captação da Base alvinegra – participando da vinda de atletas como Emerson, Camilo e Zanocelo.  O convite para assumir o time  veio, porém, em decorrência de outras experiências do treinador: na condição de técnico, ele já treinou equipes femininas no Japão e nos Estados Unidos (neste último país, no futebol universitário).

“Procuramos fazer um trabalho firme com as meninas e estamos tendo todo o respaldo da diretoria. Também estamos buscando fazer algumas contratações, mas durante a pandemia isso não é fácil, até porque as melhores jogadoras disponíveis acabam sendo pegas pelos times com mais dinheiro. Mas, como disse, nossa equipe tem jovens empenhadas e com potencial, acredito numa evolução. Temos clareza, porém, que é um começo, um início. Futebol é processo, não é da noite para o dia”, conclui Lopes.

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS