Brigatti comemora os três pontos contra o Botafogo e o período entre partidas para aprimorar o modelo de jogo: “É fundamental ter esse tempo para recuperar, treinar e ir forte contra o Avaí”

Foto:PontePress/ÁlvaroJr

Feliz com a vitória da Macaca ontem (4) contra o Botafogo, no Majestoso, o técnico João Brigatti também não esconde a satisfação por outro motivo: o intervalo de sete dias antes de entrar mais uma vez em campo pelo Brasileiro da série A. Com cinco jogos disputados nos últimos 15 dias – em média um a cada três dias – e mais de 9 mil quilômetros percorridos em viagens entre eles, o elenco pontepretano não tem tido tempo para fazer algo fundamental na opinião do comandante: treinar.

“É fundamental ter esse tempo para ir forte contra o Avaí. Com essa folga para recuperação e treinamento, vamos conseguir qualificar muito mais o elenco. Até agora não tivemos nenhum dia de treino, foi só posicionamento, assistir vídeos, e com o desgaste de viagem e jogo sobre jogo. Então fico feliz  com tempo para aprimorar nosso modelo de jogo e não vamos mudá-lo em nada, pois o elenco entendeu e aceitou a proposta.  Porém, precisamos justamente de tempo para equalizar meio de campo, defesa e ataque”, diz.

Propondo jogo e indo para cima

O treinador ressalta que, mesmo com  falta de tempo e ausência de titulares, por quaisquer motivos que sejam, ele vai continuar com a proposta de ir para cima dos adversários. “Não abro mão de a gente propor o jogo, começar lá de trás, mesmo diante da dificuldade. Essa proposta está dando certo na Ponte e vamos insistir até o final. Agora é treinar em busca do equilíbrio nos setores para sempre podemos nos impor diante do adversário, saindo lá de trás, com qualidade de passe e alimentando ataque para sairmos com a vitória”, enfatiza.

Brigatti elogia a resiliência da equipe. “O calendário acaba sendo desumano, principalmente no Brasileiro. Ninguém lembra mais que ficamos 120 dias parados, no meio de uma pandemia. É partida em cima de partida, viagens, e quando entra em campo tem que mostrar vontade e preparo físico. Mas estamos passando por essa turbulência toda, acho que o time está de parabéns. É uma equipe que vai longe. Por isso peço o carinho e o apoio da nossa torcida: temos um elenco de guerreiros na Ponte”,

Análise de jogo

O treinador faz uma rápida avaliação do confronto contra o Botafogo – a vitória fez com que a Macaca dormisse no G4, enquanto aguarda a conclusão da oitava rodada. “Muitas equipes que vem aqui jogam por uma bola. Foi um jogo difícil, o Botafogo se impôs, tivemos dificuldade no primeiro tempo. Mas no segundo colocamos mais vigor em campo, nossa equipe batalhou,  e tivemos um comportamento exemplar. Poderíamos até ter conseguido ampliar com um pouquinho mais de qualidade.  A Ponte se mostrou uma equipe guerreira também, a cara do campeonato da Série B”, diz.

Sobre o fato de o time ter apresentado um desempenho um pouco aquém do que vem mostrando, o treinador destaca, primeiro, quen o mais importante é a conquista da vitória.   “Sempre vale a pena conquistar os três pontos, em especial num campeonato tão difícil como a série B, onde você encontra equipes com grande poderio financeiro ou físico que vem dificultar. Ainda mais nos dias de hoje, sem a torcida no estádio, as equipes visitantes vem pra cima.”

Ele acrescenta que, porém, que a Ponte está conseguindo superar questões complicadas como a ausência de atletas e o cansaço. “Não é fácil ter que remontar o time a todos os jogos, com a falta de um, dois ou três atletas. Os que estão fora, pelo vigor, qualidade e espírito fazem falta, mas vamos conseguindo recompor. Quem está ausente  sempre faz falta, mas quem entra está conseguindo suprir. Com a cumplicidade e poderio do elenco, vamos superando as dificuldades que se apresentam”, diz.

Em relação ao desgaste em si, Brigatti acrescenta que ele é natural pela maratona enfrentada pelo time, contudo mais uma vez a força do elenco se mostra essencial nestas horas. “Bato na tecla que trabalhamos com  atletas e não com robôs. O Oyama e o Neto Moura, por exemplo, são jogadores extremamente qualificados que nos ajudam e vão nos ajudar demais, mas são humanos, cansam. Ontem conseguimos reverter isso colocando ‘mais saúde’ no campi, com com o Bruno Reis e o Darnley, isso deu sustentação. O  Apodi também cansou, aí deslocamos o Dahwan. São situações Às quais vamos nos adaptando”,explica.

Suando sangue e apoio da torcida

Acima de tudo, João Brigatti reforça que é preciso valorizar o time e o resultado de ontem. “Vibrei muito ontem porque, jogando bem ou mal, foi uma vitória maravilhosa, fantástica, de um elenco muito competitivo.  Eles estão de parabéns, temos que valorizar demais essa vitória diante de uma equipe como o Botafogo, e eu gostaria de mandar um recado para a nossa torcida: que acredite e nos apóie do início ao fim do campeonato”, afirma.

Ele complementa, finalizando: “Temos um elenco de qualidade técnica, mas principalmente de homens que vão a campo para suar sangue e honrar a camisa que vestem. A gente pede pro nosso elenco fazer isso e, quando consegue, tem que enaltecer. Então ressaltoo pedido para que a torcida incentive do início ao final da competição. Vai ter jogos que vamos jogar bem e outros não tão bem, como o de ontem, mas sempre vamos nos doar ao máximo pela Ponte Preta.”

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS