Volante Dawhan diz que Paulistão é a série A do primeiro semestre: “Todo jogador quer disputar esse campeonato, trabalhamos forte e queremos sair vitoriosos já na estreia nesta quinta”

 

Foto:PontePress/ThiagoToledo

Apesar de ainda ter 23 anos, o volante Dawhan tem experiência de sobra e sabe bem o que quer da vida. Ainda mais agora, que acaba de se tornar pai (a filha Alice nasceu no último domingo), ganhando mais responsabilidade do que já tinha. “É minha primeira filha, uma benção, uma sensação inexplicável. E nessa nova fase começando aqui na Ponte, um time de peso, história, um grupo que me recebeu super bem. Sinto-me em casa, espero construir aqui uma história, já é um inicio de ano super bom para mim”, diz.

E o primeiro passo desta nova história Dawhan quer dar já na quinta-feira, contra o Santo André. “Todo jogador quer jogar o Paulistão, é uma série A do primeiro semestre. Temos tudo para ir longe, o grupo está unido e vai se fechar mais ainda. Trabalhamos forte e tenho certeza que vai dar tudo certo na quinta, e vamos sair vitoriosos”, enfatiza.

Volante voluntarioso e regular (no ano passado só não jogou dois dos 38 jogos da série B pelo CSA), Dahwan já tem uma carreira bem embasada. O jogador começou a atuar na Base do Vitória-BA em meados de 2012 e no ano seguinte foi para o Internacional-RS, quando assinou o primeiro contrato profissional aos 16 anos. “Depois de seis meses, sai e fiquei sem time no meio de 2013. Mas no ano seguinte fui para o Corinthians, onde tive a melhor fase na Base, ficando até 2016”, relembra.

Em 2017, o atleta foi para o CSA, onde permaneceu até o ano passado. Lá, subiu da série C para a B e, na squência, da série B para a A. Neste ano, o volante espera conquistar um novo acesso para elite, desta vez com a camisa da Ponte Preta, e acredita que há algo fundamental para que efetivamente a Macaca suba. “A união do grupo é muito importante, foi o que fez a diferença pra gente no CSA. Em 2017 o time foi pra finais do estadual e, ficou vice, mas não se abalou, pelo contrário, se uniu ainda mais. Foi a partir dali que o time cresceu e conquistou os acessos. Em 2018, ficamos 32 rodadas no G4. Acredito que isso ocorreu principalmente por ser um time forte e unido.”

Além de volante, Dawhan também sabe jogar pelos lados e até mesmo mais avançado, à frente. Para ele, a posição é indiferente: o que importa é ajudar o time. “Sou volante de origem, já atuei como primeiro e segundo volante. No ano passado fiz lateral direita atendendo a pedido do técnico  Argel. Para mim não tem diferença. Sempre fui muito batalhador em tudo que fiz e agora não será diferente: estou aqui para ajudar onde for preciso”, garante.

“DaUán” e não “DaRRuán”

Se falar de bola é fundamental para um atleta, também é inevitável ao volante pontepretano responder sobre o próprio nome, que é pouco: Dawhan Fran Urano da Purificação Oliveira. Em primeiro lugar ele esclarece que a pronúncia correta é com a letra agá muda, ou seja, a pronúncia é “Dauán” e não “Darruán”, como cehgou a ser dito por alguns locutores esportivos quando o volante estava na base.

“O meu nome foi dado pela minha avó, nela escolheu, não sei dizer de onde vem. Os demais são sobrenomes de família. Fran vem da minha da avó, Urano da minha mãe e Purificação Oliveira do meu pai”, explica.

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS