Ivan diz que segue firme em busca da realização do terceiro sonho de 2019: “Neste ano já fui para a Seleção e completei 100 jogos pela Ponte, agora falta o acesso e vamos lutar por ele”

Foto:PontePress/ÁlvaroJr

Vivendo uma ótima fase, o goleiro Ivan pode dizer desde já que, individualmente, teve um bom ano. Mas o camisa 1 não é individualista e, por isso mesmo, está empenhado em uma meta que é para ele a mais importante. “Neste ano já conquistei dois sonhos, e quero terminar o ano conquistando o terceiro, que é o acesso da Ponte para a série A. Ainda restam jogos suficientes e acredito que é possível, sim,  temos que pensar jogo a jogo e vencer”, pontua.

Lembrado pela imprensa o fatídico jogo contra o Vitória em 2017, que selou a queda da Macaca para a série B, Ivan enxerga na partida de domingo uma oportunidade de redenção. “Naquele dia eu estava disputando mais cedo a final do Paulista SUB20 contra o Palmeiras, na qual conquistamos o vice-campeonato. Voltei para casa e assisti a partida pela TV, fiquei muito chateado, como todo torcedor. Quem sabe neste domingo não conseguimos apagar de vez essa lembrança ruim com uma grande vitória em casa, que poderá nos manter na luta pelo acesso e levar alegria ao nosso torcedor?”

Neste sentido, Ivan destaca o espírito de luta alvinegro para o compromisso de domingo. “É mais uma final, sabemos do nosso compromisso , de como é grande a pressão e a vontade de subir.No último jogo enfrentamos o líder em casa e acredito que fizemos um bom jogo, em especial pelo segundo tempo que mostramos merecíamos vencer. Mas sabemos que foi um tropeço por ser dentro de casa. Então temos que vencer esse jogo no domingo e depois buscar pontos fora”, diz.

O arqueiro complementa o pensamento: “A gente vem de alguns resultados em que acaba sofrendo o empate quando estava ganhando o jogo e o torcedor sente bastante, assim como nós, mas em determinado momento as coisas não saem como o planejado. Porém ainda restam jogos e a gente vai lutar e acreditar até o fim.”

Ivan fala ainda sobre uma suposta falha no gol de empate do último jogo, algo que eçe  descarta ter ocorrido. “Se você pega pela câmera de trás, vê que a bola fez curva: ela ia para o lado direito, o vento balançou muito e ela foi pro meio, por isso não teve outro jeito se não espalmar par frente e daí o jogador deles teve frieza para chutar e não havia o que fazer. Mas de forma alguma eu falhei. Erros acontecem e eu assumo quando erro, mas neste caso não houve falha”, afirma.

Ele conclui dizendo que nem por isso deixa de aceitar críticas, que entende inclusive serem importantes par o crescimento de um profissional. “As pessoas acabam esperando muito mais de mim, do meu trabalho, pelo nível que eu atingi aqui na Ponte. Acho que chegar onde eu cheguei, da Ponte para a Seleção, aumenta a responsabilidade, então sempre vai ser a mais para cima de mim. Estou bem tranquilo em relação a isso, é normal. A cobrança é natural em um clube grande, então tento reagir da melhor forma possível.”

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS