Jorginho diz que pontos contra o CRB farão falta: “Agora temos que conquistar os próximos seis que faltam para acabar o turno”

Foto:PontePress/ÁlvaroJr

A derrota para o CRB teve um custo significativo para Ponte. Conforme lembra o técnico Jorginho, uma vitória por 1 a 0 manteria a Macaca na quarta posição na tabela, uma por três levaria à terceira. O revés, porém, fez com que o time ficasse em sétimo, ainda que a distância seja de apenas três pontos. Para o treinador alvinegro, o remédio agora vai além dareabilitação imediata.

“Os pontos desse jogo de quarta vão faltar para gente, precisamos agora conquistar os próximos seis que faltam pro fim do primeiro turno. O Sport nesse sábado não é um jogo fácil, mas é um confronto direto e precisamos vencer. Estamos a três pontos do G4 e o caminho é esse. Lamentamos muito, pedimos desculpara ao torcedor. Vencer ontem seria um ânimo muito grande,  então realmente lamentamos e o torcedor tem razão: precisamos melhorar muito para vencer o próximo jogo”, diz.

Para Jorginho, o problema da Macaca foi a etapa inicial ruim. “O primeiro tempo comprometeu todo o jogo, perdemos ali. A equipe estava irreconhecível, não teve nenhuma organização, parte tática, não teve atitude. E temos um grupo de atitude, uma equipe empenhada, cobrei deles no vestiário e sinceramente não consegui entender o que ocorreu”, admite.

Se o primeiro tempo foi problemático, o seguinte o time teve outra postura. “Mudamos pro segundo tempo, fizemos a mudança com o Longuine,melhoramos muito, podíamos ter empatado. Faltou um pouco de capricho e tranqüilidade nas conclusões e acabamos perdendo um jogo em casa, o que não é comum”, avalia.  

O treinador resume a análise: “No começo faltou entrega, o que não é comum neste grupo, que  uma equipe vibrante e estava pática. No segundo tempo  a gente se organizou, teve atitude, foi para cima, tivemos agressividade, mas também uma certa intranqüilidade e não conseguimos a conclusão. A lição é que realmente o primeiro tempo foi horrível e a gente não pode repetir isso.”

O treinador conclui analisando a volta do meia Rafael Longuine e a estreia do lateral Éverton. importante, aturou com qualidade, mas tinha a preocupação dele não agüentar mais tempo. “O Longuine é um jogador que tem um grande diferencial, deu outro ritmo ao jogo, sabemos da qualidade dele, mas ainda não estava em condição de jogar o tempo inteiro, infelizmente. O Éverton entrou muito bem, demonstrou capacidade, visão de jogo, correspondeu às nossas expectativas.”

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS