Titular na semifinal e em três das quatro partidas disputadas, Ivan vive a expectativa de ser o camisa 1 da Seleção Brasileira na final do Torneio de Toulon neste sábado: “Se Deus quiser, vamos levar o caneco para o Brasil”

 

Quando Ivan foi convocado como um dos três goleiros que integram a Seleção Brasileira Pré-Olímpica no Torneio de Toulon, na França, não havia nenhuma certeza de que ele efetivamente jogaria na competição, afinal havia outros dois arqueiros com experiência e a honra de ficar no banco ainda é enorme. Porém, Ivan é Ivan. O jovem goleiro conhecido por fazer milagres nos jogos da Ponte Preta conquistou seu espaço e foi o titular da Camisa 1 por três dos quatro jogos do torneio, inclusive a semifinal contra a Irlanda (vencida pelo Brasil por 2 a 0). A expectativa, agora, é vestir a camisa novamente neste sábado, às 11 horas (horário do Brasil), na final contra o Japão.

“A expectativa é muito boa, o time está bem preparado e este é um momento de atenção redobrada.  Acredito em um grande jogo , que será decidido nos detalhes: uma final é sempre mais difícil e, às vezes, uma bola parada pode decidir. A equipe do Japão é muito organizada, são dedicados e vamos ter que superar isso. Estamos nos preparando bem para fazer o melhor e, se Deus quiser, vamos levar o caneco para o Brasil, pra coroar o trabalho que começou com o pé direito”, diz o goleiro alvinegro, quer dizer, canarinho.

A Seleção Brasileira está com 100% de aproveitamento na competição, com quatro vitórias em quatro jogos, além de 15 gols marcados e nenhum sofrido – mérito pelo qual Ivan é um dos responsáveis.  Se derrotar o Japão, o Brasil conquistará de novo a taça que levantou pela última vez em 2014. Ivan conta um pouco sobre a experiência que está tendo com o time comandado pelo técnico André Jardine. “É uma situação nova e muito bacana, minha primeira convocação olímpica, e intuito é disputar o pré-olimpico no início do ano que vem para ir aos Jogos Olímpicos do Japão.  E já nesta primeira convocação estamos disputando um torneio internacional que é curto, mas  vale um título importante e que é muito tradicional.”

 

O atleta relata que foi muito bem recebido no elenco brasileiro e revela que não está tendo problemas cem se comunicar com os franceses quando precisa fazer isso. “Me adaptei bem ao elenco, conhecia alguns jogadores, como o Emerson, com quem joguei na Ponte, e todo o grupo me acolheu. Quanto a falar aqui na França, tento arriscar um pouco o inglês pra me comunicar, porque de francês não entendo nada (risos) e no inglês da pra gente se virar”, afirma.

Já em relação aos treinamentos, o pontepretano garante que o preparador de goleiros Betão não deve nada para o nível seleção. “Os treinos não são muito diferentes do que eu faço com o Betão, que é um excelente preparador. Claro que tem algumas coisas novas, a gente aprende bastante, e todo o staff nos dá muita condição para treinar e desenvolver o trabalho para chegar bem no jogo”, avalia.

Ivan finaliza reforçando que espera uma grande atuação brasileira neste sábado – a partida é transmitida pela ESPN Brasil às 11 horas –  e que espera voltar a vestir a camisa de Seleção novamente. “Espero voltar mais vezes, sempre foi um sonho vestir a camisa da seleção, que tem uma história tão bonita e rica. Estou aproveitando cada minuto e fico extremamente feliz por  poder representar meu país.”Os jogos estão sendo transmitido pela ESPN Brasil.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS