Mazola Jr diz que derrota em Itaquera deixa sentimento de frustração: “Fizemos nosso melhor jogo até agora, mas com o pior resultado”

Foto:PontePress/MarcosRibolli

Após um primeiro tempo de muitas chances criadas e até um gol anulado, a Ponte Preta conheceu ontem a primeira derrota  no Campeonato Paulista de 2019. “É um sentimento de frustração pelo resultado, mas não pelo jogo, pois na minha opinião foi o melhor que fizemos até agora: flanqueamos bem principalmente pelo lado esquerdo, tivemos uma postura mais agressiva e o Ivan precisou fazer uma defesa mais difícil no jogo todo. Podíamos ter tido aproveitamento melhor, mas como eu já vinha falando durante a semana uma partida dessas é de erro zero, não se pode errar e o único erro que fizemos eles se aproveitaram”, lamenta.

O treinador ressalta que, a equipe evoluiu bastante, porém precisa ter um maior equilíbrio entre os dois lados do campo. “Nosso time está um pouco penso, pois enquanto o lado esquerdo está funcionando melhor, o lado direito ainda não encaixou. Falta um atleta ali de passada larga, para jogar aberto com o Matheus Oliveira, com o Matheus Vargas. Mas já encontramos nosso norte e temos que mudar peças e não o modelo de jogo, precisamos de um jogador que dê mais profundidade ali. Penso que esse atleta pode ser o  Igor Henrique ou o Mantuan, quando ele estiver em condições de jogo. Além disso, continuamos procurando um atacante também para atuar mais daquele lado”, afirma.

Sobre o lateral esquerdo Giovanni ter jogado com a 11 em São Paulo, Mazola Jr. explica. “Ele já jogou ali inclusive na série A. Com o Giovanni na posição fundo, um bom jogo aéreo, e agora vamos tentar arrumar por ali. O Gerson Magrão fez uma boa partida e, quando estiver um pouco mais bem condicionado fisicamente, fará beirada e fundo também. Mas achamos nele o posicionamento com o meia esquerda que todos estavam cobrando: o Gerson tem condição de fazer e ainda recompor bem, cortando linhas de passe e ajudando na marcação.”

Sobre erros dos atletas, a postura de Mazola Jr. é não individualizar, mas ele afirma que terá uma conversa com alguns jogadores e fala um pouco mais sobre Hugo Cabral, bastante cobrado pela imprensa por ter perdido um gol contra a Ferroviária e quem perdeu a bola em um lance que acabou originando o contra-ataque corintiano que gerou o gol no sábado.

“Estamos em um clube tão grande que aqui não se pode ter um mínimo de negligência ou distração e vamos pontuar situações que ocorreram não só com Hugo. Aliás, não vamos crucificá-lo, pois ele saiu ovacionado no primeiro jogo e talvez justamente não tenha encaixado essa situação. É fato que alguns jogadores apresentaram pequenas negligência em algum momento e chamaremos a atenção de todos: estamos construindo um norte para a equipe e agora continuamos a trabalhar duro para resolver os problemas e aprimorar o time”, ressalta.

O técnico finaliza dizendo que continuará trabalhando firme em busca de vitórias, de preferência já na noite desta quarta contra o Mirassol, e destaca que cobranças e pressões por resultado fazem parte do jogo. “Muita gente fala que jogar na Ponte é ruim porque a torcida faz pressão, mas para mim a torcida da Ponte é maravilhosa, eu estou fazendo meu trabalho e a pressão que o torcedor pontepretano faz é ótima. A imprensa idem, ela  fala e comenta o que viu. Isso não me preocupa, o que me preocupa é não ter conseguido resultados e é por eles que eu trabalho. Estou trabalhando para o meu time do coração, o time que eu amo, e tenho certeza que vamos conseguir resultados. E se um dia entenderem que tem que trazer outro, nunca ficarei com mágoa do meu clube nem da nossa torcida”, conclui.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS