Ponte enfrenta Atlético Goianiense nesta terça (4), no 1º jogo sob o comando de Chamusca, que destaca: “Temos que melhorar a performance e dar um sprint final, são 14 decisões e esta é a primeira”

Foto:PontePress/LuizGuillhermeMartins

A Ponte Preta entra em campo às 19h15, em Goiânia, para enfrentar o Atlético-GO em uma batalha difícil contra um concorrente direto, na qual a vitória é o resultado que interessa. Em nono lugar, com 34 pontos, a Ponte pode em caso de vitória se aproximar mais do G4 e, mais ainda, passar o próprio oponente, que ocupa a sétima posição com os mesmos 37 pontos que a Macaca alcançará com placar positivo, mas com menor saldo de gols.

O atacante André Luís, que estava suspenso na última rodada, volta à estar a disposição, mas a principal novidade estará na beirada do campo: o técnico Marcelo Chamusca, que chegou ontem ao Majestoso, comandará pela primeira vez a equipe.  “É um jogo extremamente difícil pela qualidade do adversário, conheço o (técnico) Tencati, é um cara muito preparado. O time deles é consistente, com mecânica ofensiva muito forte, várias opções de frente, conheço bem o adversário e a atmosfera que iremos enfrentar. O jogo é de confronto direto e vai ser muito difícil, mas já tenho time definido e espero que mesmo com o pouco tempo que tivemos possamos fazer um grande jogo. São 14 finais e esta é a primeira”, diz.

Chamusca conta que já vinha assistindo a algumas partidas da Ponte antes de chegar ao Majestoso. “Vinha acompanhando e alguns jogadores já jogaram comigo, outros contra mim , a gente conhece muito a característica do grupo e o comportamento do vestiário, isso foi um dos motivos que me fizeram vir pra Ponte. A ideia pro jogo de hoje é alterar alguma coisa, sim, mas muito pouco. Devo manter o que vinha sido feito, talvez a alteração seja maior de escalação de atletas, e menos de parte tática e posicionamento”, pontua.

Ele acrescenta que a partida contra o Atlético-GO é crucial também em outro aspecto. “O jogo de hoje é fundamental para mim pra ver se preciso indicar alguma atleta que entenda que é carência do clube, e não venha pra onerar e sim somar. A partir de hoje é que vamos criar convicções neste sentido. Vejo que na maioria das posições temos bom número de atletas, o time já tem uma organização e condição de alternar a forma tática de jogar pelas característica dos atletas, mas a primeira observação neste sentido será hoje”, diz, acrescentando que de imediato não pensa em contratações.

“É muito cedo pra pedir contratação já, sem avaliar o time pelo menos neste jogo . Além disso está muito difícil ir no mercado e buscar jogador pontual para o que precisa, e eu vou meio na contramão neste sentido: nos lugares em que passei peço muito pouca  contratação. Quando vejo que dentro do elenco tenho condição de montar e criar mecânica do time pra ter performance ganhar jogo, procuro dar moral e confiança pros jogadores que estão no elenco.”

O comandante ressalta, porém, que quer criar mais opções de jogo. “Hoje talvez não, mas na semana, com mais tempo, vamos começar a alternar formas de jogar. O time está com dificuldade porque está um pouco previsível na forma de jogar, precisamos criar alternância, que surgirá agora, mas na semana com tempo. Hoje algumas pequenas mudanças podemos até conseguir, pois temos muitos jogadores com experiência para pode mudar um pouco, mas com certeza essa alternância conseguiremos na sequência”, acredita..

Chamusca acrescenta, porpem, que tudo tem que ocorrer muito rápido em virtude do ponto em que a competição se encontra. “Precisamos tirar essa diferença logo e, fazendo analogia com a fórmula 1, vou precisar acelerar mais e ganhar mais pontos. Precisaremos ser muito objetivos pra que as coisas, que já estavam acontecendo, passem a acontecer de maneira melhor para conseguirmos nosso objetivo”, enfatiza.

Sprint final e torcida

Sobre sua chegada no time, Chamusca conta que tudo ocorreu rápido. “Já havia ocorrido um contato inicial da Ponte na saída do Doriva, mas naquele momento foi uma sondagem da minha intenção de trabalhar. Eu queria vir, mas a diretoria entendeu que o melhor naquele momento seria manter o Brigatti e dar a ele uma oportunidade dentro do clube. No domingo agora que nós voltamos a falar, o clube queria minha contratação e eu queria vir trabalhar. É um contrato inicial curto, de três meses, até final da série B. Mas quando eu quero trabalhar a última coisa que coloco é a parte financeira, eu coloco objetivo e o meu é que a Ponte tenha performance satisfatória para poder pontuar e dar um sprint final nestas últimas rodadas  para poder ter condições de subir.”

Ele acrescenta que lamenta a saída de João Brigati, com quem esperava contar como auxiliar no time. “Ele ia permanecer, com uma função importante neste momento, me ajudando com informação que ele, como estava à frente do time, com certeza iria colaborar muito. Mas entendo ele, optou por sair e desejo muito sucesso pro Brigatti, com quem inclusive me encontrei na manhã de ontem. Que ele tenha o mesmo êxito no clube em que vai trabalhar que teve aqui na Ponte, onde fez um excelente trabalho”, deseja.

Em relação a uma possível rejeição de parte da torcida pontepretana, Chamusca é direto: “Vivenciei esse tipo de situação em outros times e penso que o que faz o torcedor acreditar no trabalho do treinador são as vitórias, os resultados, a performance. Temos que construir a performance satisfatória e consistente. O que o torcedor mais quer é ver seu time vencer, independente de quem esteja na beira do campo e é isso que pretendo dar a ele.”

Chamusca ressalta, porém, que o apoio do torcedor é fundamental, e não só o da torcida. “Sou intenso no trabalho, vou viver o clube de uma forma na qual vamos fazer todo o possível para ter resultados e com eles a torcida, que é um fator fundamental, vai nos apoiar. Nenhum clube consegue subir sem ter todos na mesma corrente e pensamento. É preciso que diretoria, atletas, funcionários, comissão, torcida e imprensa estejam juntos, com essa sinergia é que dá certo”, conclui.

A partida desta noite está prevista para ser transmitida pela SporTV, bem como tem cobertura das rádios esportivas de Campinas (FM 99,1 e Mas 870, 1170 e 1270) e das webradios Pontenews, Esportiva, Futebol Interior e Macacada Reunida.

 

Notícias Recentes

NOTA DE ESCLARECIMENTO: IVAN

A Ponte Preta informa que, diferentemente do que foi divulgado pelo site Futebol Interior, a Ponte Preta possuí 100% dos direitos econômicos do goleiro Ivan e nem poderia ser diferente, uma vez que a FIFA não permite a transmissão

Leia mais »

REDES SOCIAIS