Brigatti valoriza vitória diante do Mirassol, enaltece espírito pontepretano e fala sobre qual é o peso do Troféu do Interior

Foto:PontePress/FábioLeoni

Duas vitórias seguidas por dois a zero, uma delas no Majestoso, e a proximidade de disputar as finais do Troféu do Interior, que a Macaca já conquistou em três ocasiões (2009, 2013 e 2015).  Para o técnico Brigatti, os resultados são razão de alegria, mas também uma responsabilidade que tem de ser levada a sério. 

“Muitos falam que esse torneio não vale nada, na hora que a Ponte entra em campo e veste essa camisa eu ouço muita coisa. Só que não vale quando se ganha, mas quando perde vale muito. Então eu enalteço os jogadores, porque o espírito tem que ser esse. Só assim vamos conquistar bons resultados e construir um elenco forte, com um espírito de todos que entram”, destaca Brigatti.

O treinador interino analisa a partida de ontem.  “O Mirassol estava com superioridade no meio, com o volante descendo livre e fazendo o 3 contra 2 em cima do João Vitor e do Nathan. Eles sabem jogar também. No segundo tempo acertamos com a entrada do Lucas Mineiro. Ficou praticamente uma marcação homem a homem e eles não criaram tantas chances e conseguimos sair para o jogo. O time está de parabéns”, enfatiza.

O comandante avalia ainda a presença de Ronaldo em campo. “Ele  não tinha jogado uma partida de início. Conversei com ele sobre o Emerson estar na seleção brasileira e o Jeferson sentindo a posterior: precisaria dele e o Ronaldo disse que eu poderia ficar tranquilo porque ele já jogou na função. Suportou bem, fez o feijão com o arroz e é mais um jogador que ganhamos para o elenco. O pensamento é construir um plantel forte, porque a sequência do ano é muito difícil. Só assim vamos conquistar algo lá na frente”, destaca.

Ainda como técnico interino, o comandante ressalta a entrega que tem ao clube, independentemente da função. “Eu estou cumprindo meu papel de auxiliar técnico. Pegamos a Ponte em uma situação difícil, conseguimos reverter o ambiente, que hoje se encontra favorável para podermos trabalhar. Isso é muito importante. Meu pensamento e meu intuito são de trabalhar sempre para a Ponte. Sou empregado do clube e procuro dar meu melhor. E acho que estou conseguindo”, comemora Brigatti, que acredita ter a receita de como fazer o torcedor pontepretano abraçar o time novamente.

“Em outras situações a bola batia no zagueiro e entrava no nosso gol. Agora a bola bate no zagueiro adversário e entra ao nosso favor. Para se ter um rendimento de um elenco, é preciso ter tranquilidade para trabalhar. É isso que prezamos e pedimos para a torcida. Nosso torcedor é muito exigente e precisamos respeitar. Como? Entrando em campo e dando a alma lá dentro. Aí sim a torcida respeita a nós atletas e comissão técnica. E para isso é preciso de um ambiente leve, para se trabalhar durante a semana”, explica.

O técnico finaliza dizendo qual é a meta no Troféu do Interior: “Nosso pensamento é ir para a final até quando aguentarmos. Se vai embolar um pouco o planejamento para o Campeonato Brasileiro, isso não tenho dúvida que vai, mas aqui é Ponte Preta e se formos para a final, vamos buscar ser campeões.”

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS