Rodrigo destaca sequencia de jogos no time titular e reforça gana da equipe em dar a volta por cima no Brasileirão

 

Fotos: Ponte Press/FábioLeoni

A vitória diante do Corinthians, no domingo (29), deu um animo a mais para o elenco da Ponte, que vem na luta pela permanência na elite do Campeonato Brasileiro. O zagueiro Rodrigo, prata da casa, conhece bem a dificuldade e se torna peça importante também por conta da experiência que traz consigo dentro do time. “Na Ponte nunca foi fácil. Sou crescido aqui, tenho minha formação na Ponte e desde que me recordo, nunca teve momentos fáceis. É difícil, e às vezes em um Campeonato Brasileiro competitivo, tem que esperar de tudo”, comenta o jogador, que voltou para a equipe titular nas últimas rodadas.

 

“Lógico que estou em sequencia boa de jogos. Fiquei onze partidas sem atuar e voltei contra o Palmeiras, em um ritmo muito alto. No começo de temporada, a partir da terceira rodada é que começa a ter noção um pouco mais de espaço, tempo de bola, de ter o conjunto, mas dentro da Ponte, quando se precisa de resultado, as coisas não fluem como queremos. Mas esse jogo contra o Corinthians foi um divisor de águas para todos e a alto estima volta, assim como a confiança. Voltamos para o campeonato”, enfatiza.

 

Para o atleta, esse momento em que a Ponte Preta passa machuca não só o torcedor, mas também cada um dos jogadores, que sabem que a Macaca merece algo mais na competição. “Não consigo aceitar a situação que nós nos encontramos. Eu cresci aqui, voltei, vi o time chegar na final do Paulista e esse é o pensamento que nós temos que ter e não na zona de rebaixamento. Passamos por um período muito longo nesse segundo turno no Z4 e para mim é horrível, vergonhoso. Não quero passar por isso. Para eu não ficar me lamentando eu tenho que trabalhar e é o que falo para todos: vamos trabalhar porque é assim que funciona”, conta Rodrigo, que prossegue.

 

“Eu tenho que me motivar e também puxar aqueles que não estão jogando, assim como eu fiquei. Todos tem o seu momento, mas na hora que entrar tem que provar que tem condições de jogar. Mas o que mais me incomoda é ficar na situação que estamos, pois ví a Ponte chegando em campeonatos, o ano passado estar entre os oito melhores e é isso que eu quero. Me incomoda muito. Mas ainda depende só de nós. Quando se está com o pensamento de sair dessa situação contagia a todos. Eu respeito muito o Eduardo porque nos dois últimos jogos houve dois lances em cima de mim, e ele me passou confiança. E às vezes é isso que precisamos”, afirma o atleta, que agradeceu o apoio que tem tido do seus colegas de posição Marlon e Luan Peres, que saíram para a entrada do Rodrigo e de Yago nos últimos jogos.

 

O zagueiro comenta sobre a parceria com o novo companheiro de defesa. “Estamos tendo um entrosamento bacana. O Yago voltou de lesão quase que no mesmo período em que sai do time, na época do Gilson, e treinávamos juntos. Se fomos ver o entrosamento não saiu no jogo, mas sim nos treinamentos. Foi um casamento natural, como acontece na vida”, avalia o jogador, que elogia o trabalho do técnico Eduardo Baptista.

 

“O Eduardo teve muita dificuldade no começo. Os resultados não vinham, começou a implantar um sistema de jogo e nada estava a favor a ele. Se formos colocar, a semana do Flamengo foi a mais tranquila, quando ele teve tempo de trabalho. Por isso a vitória contra o Corinthians foi dedicada a ele, porque é um cara que está sempre buscando motivar a todos, mesmo nas derrotas e dificuldades. Até mesmo com quem não está jogando. Quanto eu estava fora ele falava que precisava de mim e pode ter certeza que é querido por todos do grupo. O que ele pedir nós vamos fazer”, revela Rodrigo, que quer contribuir não só na defesa, mas também no ataque.

 

“O gol é o momento memorável do jogo. É o que todos lutam para fazer em 90 minutos. Se perguntar para qualquer um, todos vão querer marcar, ainda mais para mim, que estou querendo fazer esse gol. É algo bacana. Quero comemorar com a torcida, sonho com isso, porque vibrei muito aqui. Vamos ver nesse final de semana, para que sejamos felizes nisso também”, confia o zagueiro, que teve boas chances nos últimos jogos, sendo que na última partida obrigou Cássio a fazer boa defesa após cabeceio.

 

Rodrigo também acrescenta a respeito da partida contra o Bahia, em Salvador/BA, no domingo (5). “Temos que ter na cabeça que precisamos somar pontos. Um ponto será bem vindo, pois ainda temos jogos em casa, confrontos diretos, e claro, se conseguirmos o resultado será ótimo. Em dois jogos fomos muitos cirúrgicos, que foi o nosso primeiro jogo do returno do Brasileiro, contra o Sport lá em Recife, onde fomos muito bem na marcação e tivemos chances de sair com o resultado positivo. E contra o Atlético Paranaense fizemos uma partida muito boa e saímos com a vitória. Temos que recordar isso: simples, mas com gana. Esse é o espirito que temos que ter até o final do campeonato”, completa.

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS