Eduardo Baptista destaca trabalho e empenho dos atletas, que teve como consequência a vitória diante do Corinthians, e reforça que acredita na permanência da Ponte na elite

Foto: PontePress/ThiagoToledo

Após a vitória da Ponte sobre o Corinthians pelo placar de 1 a 0, o técnico Eduardo Baptista comemorou muito o resultado – no momento do gol, ele inclusive foi aos alambrados para festejar com a torcida. Após três jogos sem vencer, a Macaca voltou a somar três pontos na competição em cima do líder da competição e que teve em campo a equipe que considera “ideal” (formação com a qual estava invicto há 12 jogos). A Ponte agora segue firme na luta para permanecer na Série A do Campeonato Brasileiro e o comandante destaca o empenho dos atletas e o trabalho desenvolvido nos treinamentos para que o resultado desse domingo fosse possível.

“O grupo precisava desse resultado, nós vínhamos de bons jogos contra o Santos e Palmeiras, contra o Avaí sofremos dois chutes e tomamos dois gols e infelizmente não conseguimos mudar. Então o resultado de ontem foi importante principalmente porque a garra e a organização a Ponte prevaleceu sobre uma grande equipe, que é a melhor do Brasileiro hoje. Ficamos contentes em ver a disposição, a ideia comprada pelos atletas. Nos deixa bastante orgulhosos de ver a alegria no resto dos jogadores e do torcedor, é muito gratificante”, celebra.

Ele reforça o conceito de que o bom resultado é fruto de treinamento. “Foi a reedição da final do Campeonato Paulista, mais um grande jogo, e a Ponte Preta esteve bem. Se nós quiséssemos ter alguma vantagem em cima do Corinthians, nós tínhamos que ser organizados e o fomos. Nós conseguimos jogar, criar e ocupar os espaços. A jogada do gol foi insistentemente treinada por nós essa semana e isso faz acreditar que, com trabalho, podemos buscar. Temos um árduo caminho pela frente para buscar essas vitórias”, pondera.

O treinador exalta o trabalhou do sistema defensivo. “Eu sabia que ia enfrentar o melhor centroavante do futebol brasileiro e sabia que os meus dois melhores zagueiros eram o Yago e o Rodrigo, por essa bola no alto. O Rodrigo, com sua experiência, tirou o Jô um pouco do centro, do jogo, ele é muito malandro e essa experiência valeu. E a primeira linha como um todo, colocando o Nino e o Jeferson, foi muito bem. O Corinthians chegou pouco por dentro, mais com bolas alçadas, onde o Jô dá muito trabalho, mas nós tivemos muito sucesso nesse ponto”, enaltece.

Baptista também ressalta o poder ofensivo da equipe, e principalmente por mais um gol do artilheiro Lucca, que vinha de um jejum de 13 jogos no Brasileirão.“Nós organizamos para o conjunto fazer o gol e que bom que o Lucca fez. É um menino que batalha demais, que trabalha sério, um líder dentro do grupo e que puxa a palavra quando temos uma reunião. Eu torço muito para que as coisas deem certo.”

O treinador ainda salienta o quanto foi importante a vitória desse domingo.  “Era um jogo que tínhamos que ganhar. Nós tínhamos uma situação para o segundo tempo caso o gol não saísse. Felizmente fizemos. Contra o Avaí tivemos cinco chances reais dentro da área pequena e não deu, tem hora que nada acontece. Mas aí é que foi importante ter equilíbrio para não fazer uma caça às bruxas, não trocar muitos jogadores nem mudar sistema, e sim manter a convicção. A vitória foi do grupo e da convicção no trabalho. De seguir o que nós da comissão e os atletas acham, não dando ouvidos para o que roda por aí. Estamos por nós. Esse é o caminho e vamos trilhá-lo”, projeta.

Outro destaque da partida foi o goleiro Aranha, que fez ótima defesas. Baptista analisa o desempenho do camisa 1 pontepretano. “Já tem uns três jogos que o Aranha tem pego a bola do jogo. Na nossa situação, necessitamos de um goleiro que pegue essas bolas e ele está sendo fundamental nisso. Quando perdemos às vezes a derrota esconde o desempenho dele, mas ele já vinha pegando e contra o Corinthians foi importante, e tem que ser. Ele é o ultimo homem da defesa e fico muito contente que ele esteja em grande forma”, avalia.

Baptista acrescenta que a equipe ontem não teve a cara dele e sim a cara da Macaca. “O time teve cara de Ponte Preta e é assim que tem que ter: time aguerrido, que teve coragem de jogar, enfrentou o líder de igual para igual. Fez um primeiro tempo em que se tivesse que sair um vencedor teria que ser a Ponte. Não deixou o Corinthians articular. Quebrou o contra-ataque adversário, que é uma arma perigosa. Nó,s jogando, já estávamos marcando a arma do Corinthians e a Ponte tem que ser assim”, pontua

Baptista finaliza dizendo o que espera do próximo confronto, contra o Bahia, também fundamental na luta pra se afastar do Z4. “Nós temos que ganhar jogo. Temos que pontuar em Salvador. São sete jogos que restam e precisamos ganhar. Uma hora a nota de corte está em 46 e depois o matemático fala em 42, mas o matemático nunca disputou um Campeonato Brasileiro. Temos que fazer a nossa parte. Ontem foi uma vitória importante, em um momento muito importante. Agora é pés no chão, trabalhar a semana, para jogar contra o Bahia”.

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS