Em reestreia de Baptista, Ponte enfrenta Chapecoense neste domingo (24), fora de casa às 16 horas

 

Foto: PontePreta/FábioLeoni

Após vencer o Sport no meio de semana, por 1 a 0, pelas oitavas de final da Copa CONMEBOL Sudamericana, mas não ter avançado na competição, a Macaca agora volta às atenções para o Campeonato Brasileiro. A equipe enfrenta a Chapecoense, às 16 horas, na Arena Condá, em Chapecó/SC, em jogo que marca a reestreia de Eduardo Baptista no comando da Ponte. O técnico comentou o que procurou passar aos atletas, nesse tempo de contato após sua chegada.

 

“Estou acostumado com o futebol brasileiro, que tem essa cobrança e com jogos em cima de jogos. Conseguimos nesse pouco tempo que tivemos mostrar ideias e corrigir algumas coisas que nós achamos, tanto na parte defensiva, como na ofensiva. Mas dá para fazer um bom jogo e conseguir um bom resultado em Chapecó”, avaliou o treinador, que explicou o que espera dos seus comandados.

 

“O que nós temos que pensar é que precisamos vencer. Lógico que é o empate não é ruim. Um ponto é um resultado bom, já que teremos dois jogos em casa. Mas é um adversário que também está pressionado, em uma zona incomoda, mas que tem qualidade. Deus mostras esse ano do que é capaz, inclusive liderou o campeonato, fez boa campanha na Libertadores. Temos que ter o equilíbrio. O que passei aos atletas é para não querer resolver os jogos nos primeiros minutos, mas sim saber jogar os 90, com paciência, organizado, para que façamos um bom jogo. E que assim façamos a pontuação necessária e saíamos de lá com uma situação bem melhor”, contou Baptista.

 

O técnico também valorizou o aspecto emocional para ter um bom rendimento contra os catarinenses. “Mais do que motivados, temos que estar concentrados. É um jogo em que termos que estar cientes do que fazer, concentrados, e é isso que vamos buscar. Temos a receita recente contra o Sport, em que jogamos quase uma hora com um a menos, onde conseguimos vencer e por pouco não nos classificamos”, comentou Baptista, que não poderá contar com Aranha e Emerson Sheik, que se recuperam de contusões, além de Élton, que está suspenso.

 

“É uma perda grande. O Sheik nas últimas vitórias, foi um jogador que marcou gols, é um atleta decisivo. Mas o Léo Gamalho fez uma grande partida contra o Sport. Segurou os zagueiros, brigou, teve chance para definir e substitui bem. O João Carlos nós já conhecemos há algum tempo. É um goleiro que nos passa confiança e segurança. No Campeonato Brasileiro não podemos fixar em onze. Temos que trabalhar com elenco, em que vão acontecer lesões, onde perderemos jogadores e precisamos usar todos e o bom momento de cada um”, ponderou o treinador, que acrescentou.

 

“Enfrentei a Chapecoense esse ano duas vezes, com times diferentes. Com o Palmeiras e o Atlético Paranaense. É um time que usa da bola longa, da velocidade do Apodi, tem o Reinaldo, que era arma nossa o ano passado. São pontos que estudamos, passamos aos atletas, vamos conversar até o jogo, para que possamos neutralizar”, completou. Quem não estiver na Arena Condá, tem como opção assistir ao jogo pelo Premiere ou ouvir no rádio (FM 99,1, AM 870 ou 1170, ou ainda pelas webradios Alberto César, Futebol Interior, Macacada Reunida ou PonteNews).

 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS