O que é da Macaca ninguém tasca: Ponte conclui registro de marcas alvinegras; direitos autorais do hino e mascotes também são catalogados na Biblioteca Nacional e Escola de Belas Artes

Se uma marca é famosa, não demora a aparecerem cópias e utilizações indevidas tentando se aproveitar dela. Isso causa não apenas prejuízos financeiros como também danos à imagem de uma instituição, afinal, quem compra uma miniatura de um mascote de uma equipe de futebol ou inscreve o filho em uma escolinha que leva o nome do time do coração geralmente o faz achando que aquele produto ou serviço é oficial, oferecido pelo “dono original” do nome. Boa parte dos times de futebol, inclusive, sofrem com este problema porque nunca registraram suas marcas. Mas o que é da Macaca ninguém tasca: sempre preocupada em defender o patrimônio da instituição, a diretoria alvinegra acaba de concluir o processo de registro das marcas da Ponte.

“Se um time não tem o registro de suas marcas, não tem como se defender, a instituição fica sujeita a qualquer um utilizando seu nome e suas criações. Por isso nós registramos tudo no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), responsável pela oficialização de marcas e patentes no Brasil. A ideia é não deixar espaço para ações paralelas: registramos não apenas os nomes e tipos de serviços associados a eles como também as imagens, brasões e logotipos da Ponte, PonTV, Loja da Macaca, TC10+, Torcedor Camisa 10, Escolinhas de Futebol e muito mais”, conta o presidente pontepretano Vanderlei Pereira.

Com esta medida, só a própria Ponte Preta está apta a utilizar as marcas e nomes: qualquer outro que o fizer terá de ter uma autorização da Macaca ou será impedido e sofrerá oenas legais. Apenas para das um exemplo, apenas a instituição pode usar o nome Associação Atlética Ponte preta, AAPP, Macaca ou Ponte Preta, bem como a imagem da macaca ou do brasão, em clubes (lazer ou educação); organização de competições (lazer ou educação); organização de competições desportivas; instalações desportivas e acompanhamentos desportivos.

Os registros também garantem, por exemplo, a exclusividade da instituição em utilizar o nome Ponte Preta em comércio e representação de produtos para cosméticos, produtos de perfumaria, xampus, bolsas, bolsas de viagem,bolsas para equipamentos esportivos, estojos de cosméticos [nécessaire], capas de guarda-chuva, guarda-chuvas,mochilas, sacolas de compras, almofadas, cabides, cortinas, persianas, tapetes, bolsas isotérmicas, canecas, copos,escovas, escovas de dentes, frascos, baldes para gelo, pentes,pratos, recipientes para cozinha,saboneteiras,taças utensílios para cozinha, vassouras, vasos, adesivos para aplicação a quente, colchas de cama, mantas, cobertura de tecido para tampo de vaso sanitário, edredons, jogos americanos, cobertas de cama, lençóis/têxteis, mosquiteiros, roupa de cama, mesa e banho, toalhas têxteis,agasalhos para as mãos, artigos de malha, chinelos e calções de banho, roupões, toucas, bonés, camisetas, coletes, cuecas, enxovais de bebês, roupas e sapatos para ginástica , meias, pijamas, robe, sungas, viseiras, capachos, tapetes de banheiro, tapetes para Automóveis, brinquedos, cartas de baralho, casas de bonecas, copos para jogos de dados, dados, dominós, mesas para futebol de salão (pebolim), jogos de tabuleiro, pranchas de surfe, raquetes, fraldas para bebés, álbuns, almanaques, apontadoras de lápis elétricas ou não, elétricas, borrachas para apagar, canetas, cartão postal, descansos de papel para copos ou garrafas, estojos para canetas,guardanapos de papel, jogo americano de papel para mesa, lápis, porta-canetas, pranchetas, toalhas de papel para mesa, cadernos, lapiseiras, mochilas, porta chaves, chaveiros, shorts,calça, bermudas para goleiros, luvas, quadros e agendas.

Biblioteca Nacional

Além das mais de 15 marcas nominais e imagéticas registradas, a Ponte também registrou no órgão responsável – a Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro – os direitos autorais dos personagens da família Macaca (Gorila, macaca e filhotes) – bem como,  na Biblioteca Nacional, os direitos do Hino da Ponte Preta, incluindo letra e partitura.

“Pra muita gente pode até parecer um preciosismo ou uma burocracia, mas na realidade é uma obrigação do clube proteger seu patrimônio. Muitos times de futebol acabam sofrendo com o uso inadequado e ilegal de seus nomes e suas marcas, e têm problemas aumentados de maneira exponencial simplesmente porque nunca pensaram em registrar as próprias marcas. Aqui não teremos mais este risco, iniciamos este processo há alguns anos e hoje ele está concluído: o que é da Ponte Preta é da Ponte Preta e ponto final”, conclui Vanderlei Pereira. 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS