Kleina destaca o equilíbrio emocional da equipe na vitória contra o Sol de América no Paraguai e afirma que ter saído na frente do placar facilitou a criação de espaços para o time atacar

Crédito obrigatório:
PontePress/FabioLeoni

A Ponte Preta retorna hoje do Paraguai onde na noite desta quarta-feira (26) venceu mais uma vez a equipe do Sol de América e se classificou para as oitavas de final da Copa Conmebol Sudamericana. O placar de 3×1 foi contruído com gols de Jadson e dois de Lucca. O goleiro Aranha ainda defendeu um pênalti e o rebote da cobrança.

O técnico Gílson Kleina explica como a Macaca construiu essa grande vitória no Paraguai. “Nós fizemos uma leitura importante do Sol América. Eles exploram muito o jogo aéreo. Tem jogadores de boa estatura e a gente precisava se posicionar bem na primeira e segunda bola.  Quando a gente recuperava a bola a gente tinha um contra golpe muito forte. Tínhamos quatro, até cinco jogadores para o contra ataque. Ganhamos o campo e saímos na frente. E isso é muito importante”.

O comandante da Macaca destacou o equilíbrio da equipe durante toda a partida. “Não ficamos esperando essa vantagem. Continuamos atacando, mas sofremos o gol de empate. A equipe estava forte mentalmente. Destaco o equilíbrio emocional. Mantivemos a dinâmica e fomos competentes para fazer a classificação”.

E explicou a importância de ter feito o primeiro gol logo no início para encaminhar a classificação. “Quando você sai na frente depois de ter feito a vantagem no primeiro jogo, você obriga o adversário a sair mais e os espaços apareceram. Nossa equipe conseguiu encaixar os passes no contra ataque. Sair na frente foi muito importante. Sabíamos que seria um jogo difícil. O Sol de América trouxe vários jogadores fortes e altos. Entendo que a nossa equipe cresceu durante o jogo e mereceu o resultado”.
 

Notícias Recentes

REDES SOCIAIS