TC10+

Notícias

Notícias > Cerimônia com presença da família de Miguel do Carmo marca o lançamento do Selo da Ponte Preta Primeira Democracia Racial do Futebol do Brasil
  • Tamanho da Letra
  • A+
  • A-
  • Imprimir

Cerimônia com presença da família de Miguel do Carmo marca o lançamento do Selo da Ponte Preta Primeira Democracia Racial do Futebol do Brasil

Publicado em: 18/08/2017

Fotos: divulgação

Uma cerimônia emocionante no Salão Nobre do Majestoso marcou o lançamento do selo oficial dos Correios em homenagem à Ponte Preta como Primeira Democracia Racial do Futebol do Brasil. Com a presença da família do primeiro jogador negro do futebol nacional, Miguel do Carmo (entre eles seu Geraldo, filho de Miguel e hoje com 92 anos), autoridades, integrantes do movimento social, conselheiros, torcedores e apresentação de bateria, o selo foi oficialmente lançado no dia 15 deste mês e está à venda nas agências do correio.

A criação do selo foi iniciativa conjunta da diretoria pontepretana, o projeto História de Ruas Negras (criado e comandado pelo vereador Carlão do PT para valorizar a história e memória ds negros na cidade ) e da Empresa Brasileira de Correios, presidida pelo pontepretano Guilherme Campos. “A Ponte Preta é um time que é sinônimo de história no Brasil: além de sermos o primeiro time de futebol fundado como tal no país e em funcionamento ininterrupto desde a fundação, temos também o orgulho de ser o primeiro time a ter negros em nosso elenco e diretoria, já em 1900. Para nós isso é motivo de orgulho e estamos extremamente felizes ao ver este fato eternizado em um selo postal brasileiro”, diz Vanderlei Pereira, presidente da Macaca.

“Por ser a 1ª Democracia Racial do Futebol Brasileiro, a Ponte já fazia parte do Ruas de Histórias Negras com placa instalada defronte ao estádio Moisés Lucarelli, mas quisemos homenagear também a trajetória de enfrentamento da diretoria da agremiação esportiva que à época inseriu jogadores negros no elenco do  time. É um fato importante, que precisa ser valorizado”, explica o vereador Carlão.

O presidente de honra da Macaca, Sérgio Carnielli, esteve presente no evento e lembra que, quando a Ponte começou a divulgar ter sido a primeira equipe  a ter negros no elenco, houve quem se surpreendesse. “Muita gente se impressionada, pois outras equipes achavam que já tinham quebrado a barreira do racismo antes da Ponte. Mas, por meio de pesquisas sérias, comprovamos que a Ponte foi a primeira a valorizar o termo raça apenas como empenho em campo: aqui somos todos iguais desde a fundação”, destaca.

Responsável pela pesquisa que deu origem ao selo, o historiador José Moraes dos Santos Neto reitera que não resta a menor dúvida de que a Ponte Preta foi o primeiro clube de futebol a unir brancos, negros, brasileiros e estrangeiros. “Embora outros clubes reivindiquem esse pioneirismo, como o Vasco da Gama, por exemplo, a documentação histórica confirma cabalmente que a Ponte foi a primeira democracia racial do futebol brasileiro. Outros clubes apenas divulgaram a informação que foi aceita como verdadeira por muita gente, apesar de ser improcedente”, avalia.

O diretor financeiro Gustavo Valio, que representou Vanderlei Pereira na cerimônia de lançamento, faz um agradecimento a todos os envolvidos no projeto do selo. “Ter eternizada a história da Ponte, no mês em que completamos 117 anos, é um presente que nos alegra muito. Agradecemos tanto ao vereador Carlão quanto ao presidente dos Correios, Guilherme Campos.”

Conselheiro alvinegro e presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento e Participação da Comunidade Negra de Campinas, Tagino Alves dos Santos também enfatiza a importância de se lembrar o fato histórico. “O racismo e o preconceito são atitudes execráveis, e a Ponte Preta veste a camisa na luta pela igualdade racial. Isso é algo que nunca deve ser esquecido e, mais ainda, deve ser praticado todos os dias: temos que dizer não ao racismo.”

Entre as autoridades presentes, também estavam a gerente da Agência Filatélica de Campinas, Marta Mariana Vieira; o coronel Isidro Suita Martinez, representando da Federação Paulista de Futebol; o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, Fernando da Silva Borges; e o presidente do Comitê Regional de Erradicação do Trabalho Escravo, Tráfico de Pessoas e Discriminação da Justiça do Trabalho da 15ª Região,  Eduardo Benedito de Oliveira Zanella. “Foi uma grande satisfação participar desta justa homenagem. Nós que, no nosso Tribunal, fomos os primeiros a implantar as cotas em concursos, que mantemos o Comitê tão bem conduzido pelo desembargador Zanella”, diz Borges.

< Voltar

Outras Notícias

SMS Receba promoções e resultados
Newsletter Digite seu e-mail para receber nossa newsletter